Isaquias Queiroz arranca no fim e leva o ouro no Mundial de canoagem

esportes
25.08.2019, 07:42:00
Atualizado: 25.08.2019, 10:19:46
(Divulgação)

Isaquias Queiroz arranca no fim e leva o ouro no Mundial de canoagem

Baiano já havia conquistado a medalha de bronze no sábado (22)

A Bahia ficou mais dourada na manhã deste domingo (25). Baiano de Ubaitaba, o canoista Isaquias Queiroz disparou na reta final da prova dos C1 1000m e conquistou com folga o título no Mundial de canoagem velocidade, disputado em Szeged, na Hungria. Ele foi o único a terminar abaixo dos quatro minutos: 3min59s23.

Ele não nega que estava cansado, desgastado, mas virou um gigante para que, no dia em que seu filho Sebastian completou dois anos, não chegasse de mãos abanando em casa. "Hoje é aniversário dele!", disse com um sorrisão no rosto. Antes de anunciar suas primeiras palavras como melhor do mundo, ele avisou: o discurso teria as cores verde e amarela e um sotaque nordestino.

"Thank you (obrigada, em inglês). Ó, eu não sei falar inglês, mas quero agradecer a toda a minha equipe por ter me preparado para estar aqui, hoje, como melhor do mundo. É muito bom poder ganhar aqui. Vim sem estar totalmente preparado, com uma gripe, mas é trabalho. Eu botei o tronco embaixo e fui remando. Acordei feliz, acordei bem e fui pra cima. Quando abri vantagem ali nos 250 metros finais, eu disse: 'é minha, meu filho, ninguém tira'!", comemorou.

Está foi a 12ª medalha de Isaquias em Mundiais na categoria adulto, a sexta de ouro. É ainda a segunda em Szeged, já que, antes, o baiano já havia sido bronze nas duplas. No sábado (24), Isaquias disputou uma dura final no C2 1000m e liderou a semifinal do C1 1000m, o que gerou um grande desgaste físico no canoista.

"Eu acho que a prova do C1 1000 de ontem (sábado) me ajudou muito. Eu estava muito cansado, mas deu mais confiança ter conquistado a vaga. Obrigada Brasil, Ubaitaba, Bahia! É incrível ganhar uma medalha agora, ainda mais depois da perda que sofremos do Morlán", disse ele, que lembrou diversas vezes do seu ex-treinador Jesús Morlán, que morreu e novembro do ano passado.

O baiano é o atual vice-campeão olímpico desta prova. Nos Jogos do Rio-2016, ele foi superado justamente por Brendel. Nos Jogos pan-americanos de Lima, no Peru, Isaquias aproveitou a ausência do rival e confirmou o favoritismo.

O pódio da prova vencida pelo baiano teve ainda a prata para o polonês Tomasz Kaczor, com 4min00s92, e o bronze com o francês Adrien Bart, com 4min01s55. Apontado como um dos favoritos para vencer a prova e grande oponente de Isaquias, o alemão Sebastian Brendel, que inspirou o nome de batismo do filho do baiano, ficou apenas com o quarto lugar.

Os cinco primeiros colocados na disputa garantiriam vaga para seus respectivos países para a Olimpíada de Tóquio 2020. Porém, com o resultado do C2 1000m na véspera do título de Isaquías, o país já tinha se classificado na canoa individual e em duplas.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas