'Isso é tudo besteira', diz Piquet após fala racista contra Hamilton

esportes
05.07.2022, 15:59:39
(Nelson Piquet/Facebook/Reprodução)

'Isso é tudo besteira', diz Piquet após fala racista contra Hamilton

Ex-piloto brasileiro chegou a pedir desculpas aos inglês, mas mudou o discurso

Nelson Piquet parece ter mudado o discurso sobre a polêmica envolvendo seu nome e do piloto inglês da Fórmula 1, Lewis Hamilton. Piquet teve uma fala racista ao se referir à Hamilton como 'neguinho' em um vídeo que circulou nas redes sociais na última semana. Apesar de ter pedido desculpas ao piloto da F1, o brasileiro afirmou que essa história era uma "besteira". A fala aconteceu durante o evento 'Le Mans Classic', que aconteceu na França no último sábado (2).

"Isso é tudo besteira, eu não sou racista. Não há nada, nada que eu disse errado. O que eu disse é uma palavra muito suave e até a usamos para alguns de nossos amigos brancos. Eu usei essa palavra quase um ano atrás na entrevista e eles inventaram isso. Isso me causou alguns problemas, mas para ser honesto com você, eu realmente não me importo", afirmou Nelson Piquet.

Anteriormente, o tricampeão da Fórmula 1, de 69 anos, chegou a dizer que a discriminação não tem lugar na F1 ou na sociedade e que ele estava feliz em esclarecer seus pensamentos sobre o uso do termo 'neguinho'. "O que eu disse foi mal pensado, e não defendo isso, mas vou esclarecer que o termo usado é aquele que tem sido amplamente e historicamente usado coloquialmente no português brasileiro como sinônimo de 'cara' ou 'pessoa' e foi nunca teve a intenção de ofender", completou.

Relembre o caso

Em novembro de 2021, durante entrevista para o jornalista Ricardo Oliveira, Nelson Piquet chamou Lewis Hamilton de 'neguinho' ao citar um acidente envolvendo o inglês e Max Verstappen, da Red Bull Racing. "O neguinho meteu o carro e não deixou (Verstappen desviar). O neguinho deixou o carro porque não tinha como passar dois carros naquela curva. Ele fez de sacanagem. A sorte dele foi que só o outro se f*deu. Fez uma p*ta sacanagem", criticou Piquet na época.

Em reposta após a repercussão do caso, Lewis Hamilton se pronunciou e afirmou que é preciso mudar a mentalidade e que esse tipo de fala não tem lugar na Fórmula 1. "Vamos focar em mudar a mentalidade", escreveu Hamilton em portugês, concluindo em inglês logo em seguida. "É mais do que linguagem. Essas mentalidades arcaicas precisam mudar e não têm lugar no nosso esporte. Eu fui cercado por essas atitudes e fui alvo delas a minha vida toda. Houve muito tempo para aprender. Chegou a hora da ação."

A direção da Fórmula 1 afirmou que Piquet seria punido pela atitude e estaria proibido de frequentar o paddock de todas as corridas da principal categoria do automobilismo. O paddock é um espaço frequentado pelos pilotos, convidados e imprensa.

Mercedes, Fórmula 1 e Federação Internacional do Automóvel (FIA) emitiram comunicados condenando Nelson Piquet e enaltecendo o posicionamento de Lewis Hamilton na luta pela diversidade. "Linguagem discriminatória ou racista é inaceitável de qualquer forma e não deve fazer parte da sociedade. Lewis é um embaixador incrível do nosso esporte e merece respeito", diz o comunicado da F-1. "Seus esforços incansáveis para aumentar a diversidade e a inclusão são uma lição para muitos e algo com o que estamos comprometidos na F1."

A Mercedes, atual equipe do sete vezes campeão de F-1, também saiu em defesa de Lewis. "Condenamos nos termos mais fortes qualquer uso de linguagem racista ou discriminatória de qualquer tipo. Lewis liderou os esforços do nosso esporte para combater o racismo e ele é um verdadeiro campeão da diversidade dentro e fora das pistas. Juntos, compartilhamos a visão de um automobilismo diversificado e inclusivo, e este episódio destaca a importância fundamental de continuar lutando por um futuro melhor."

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas