Ivete sobre música com Emicida: 'Uma das mais lindas que gravei'

entretenimento
03.11.2020, 19:11:00
Atualizado: 03.11.2020, 19:15:34
Clipe teve participação de Elza Soares (Foto: Divulgação)

Ivete sobre música com Emicida: 'Uma das mais lindas que gravei'

Dupla lançou single e clipe de 'Mulheres não têm que chorar'

Força e leveza. Impacto e aconchego. Esses contrastes dão o molho às várias sensações de 'Mulheres Não Têm Que Chorar', música gravada por Ivete Sangalo em Emicida, que voltaram a gravar juntos e fizeram um clipe para a música que tem direção de direção de Nina Torres e produção de Santa Transmedia.

O clipe tem cenas gravadas entre Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. Em cenas do cotidiano e de dança, as personagens do clipe, mulheres brasileiras reais, com distintos corpos e cores, aparecem de forma leve, embasando a positiva mensagem da canção.

Elza Soares faz parte do elenco do clipe, que também conta com outras várias mulheres -famosas ou não- de diversas cores, corpos, jeitos e histórias. Tudo isso junto é motivo para Ivete Sangalo afirmar que essa é uma das canções mais lindas que já gravou em sua carreira.

"Eu gostei de cara da poesia, da melodia e da mensagem que ela traz. E essa parceria não podia ser com outra pessoa se não com Emicida, que é esse cara gentil, inteligente, que sabe como ninguém ler a poesia da mulher. Um amigo querido que a vida me deu", disse Ivete.

Por sua vez, Emicida fez um pequeno balanço e levantou uma curiosidade da parceria, que não é inédita. No primeiro trabalho que a dupla realizou em conjunto, o sonho era o principal elemento da letra. Desta vez, o que conduz a canção é um despertar.

a gente inicia a música falando de um despertar, que é sobre se levantar da cama, sim, mas também sobre entender que cada pessoa carrega uma força e uma luz dentro de si", afirmou Emicida.

O clipe foi lançado no canal de Ivete na noite do último domingo (1) e já tem cerca de 310 mil visualizações. Veja e ouça clicando no vídeo abaixo.

A parceria com Ivete trouxe lembranças a Emicida. O rapper disse que quando tinha cerca de 7 anos, sua mãe trabalhava em três empregos como trabalhadora doméstica e decidiu voltar a estudar. Mesmo ralando tanto, não tinha dinheiro suficiente para dar conta da casa e dos estudos.

Um dia ele viu sua mãe, Dona Jacira, chorando em casa e sussurrando que não tinha dinheiro e após assistir a essa cena o garoto decidiu procurar emprego. Segundo Emicida, passou o outro dia todo dentro do mercado carregando sacolas e carrinhos de feira - o que lhe rendeu menos de três reais.

"Cheguei em casa bem tarde e minha mãe achou que tivesse acontecido alguma coisa de ruim comigo. Quando dei o dinheiro pra ela, ela começou a chorar por isso também. Vendo a minha mãe naquela situação, me fazia pensar que não deveria ser permitido que ela chorasse, não queria vê-la daquele jeito", contou.

Emicida diz que enxergava a força que ela tinha no interior dela para ir atrás dos sonhos, como os estudos, e também para cuidar dos quatro filhos. E trazer um pouco dessa lembrança nessa nova parceria com a Ivete foi algo muito especial para ele.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas