"Jornalistas incompetentes"

só se vê no correio
04.06.2020, 05:00:00

"Jornalistas incompetentes"


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Foi Zagalo que disse, há meio século, por esta mesma época, quando a seleção brasileira de futebol iniciava a sua escalada rumo ao tricampeonato, após a sua estreia contra a Tchecoslováquia, em 03 de junho de 1970, com vitória de 4 x 1: a disciplina e velocidade era a principal característica do combinado da cortina de ferro, em contrapartida ao futebol alegre e vistoso do time comandado por Mário Lobo Zagalo, que se excedia no vocabulário, como o fez outras vezes ao longo de sua carreira.

Zagalo estava aborrecido, não apenas com a imprensa, mas com o mundo. Nos bastidores, confidenciava a jornalistas a mágoa de não ter recebido sequer um telegrama de estímulo do Botafogo, seu time, diferente de outros clubes e outras instâncias esportivas do país que, nesse sentido, se manifestaram. Viajou para o México, sede do mundial, na expectativa de reaproximar o time com a sua torcida e em especial com os formadores de opinião que antes do embarque para a América Central não apostavam um tostão na seleção canarinho.

O que Zagalo disse exatamente em polêmica entrevista foi: "Eu não me nego a dar informações, mas sei de alguns jornalistas incompetentes, ou irresponsáveis, que transmitem imprecisões". Em parte, tinha razão. A imprensa brasileira tocava o samba de uma nota só, remoendo as mágoas da derrota de Wembley, na Copa de 1966; o noticiário pautado pelo espírito de revanche, extensivo ainda à seleção azurra, os uruguaios, os nossos algozes em 1950. A vingança, o troco, era o tema por excelência, considerando a coincidência de se bater com os adversários nas quartas de final e, nas semifinais, respectivamente.

Em contrapartida, a imprensa internacional, no decorrer dos jogos, se rendia à técnica do futebol sul-americano em comentários exaltados do tipo "O Brasil jogou como se fosse um time de piranhas", do "Kurier" de Viena, ou "Parece que jogam sobre as nuvens, alegres e felizes" no Le Stampa da Itália, ou mesmo, "como se pronuncia Pelé? D.E.U.S, do Sunday Times de Londres. Exagerados, porém, encantados com a nossa seleção que os brasileiros tiveram a chance de assistir pela primeira vez na TV, em tempo real, e não como no passado em videotape, exibido no dia seguinte.  

A transmissão televisiva quase não aconteceu, no intricado jogo de egos e interesses das Redes Tupy e Globo que tinham adquirido os direitos de transmissão e a pressão do governo que cancelou o contrato deles com a Televisa; foram obrigados a incluir a Rede Record a um custo além do previsto inicialmente. O consórcio compulsório obteve um contrato com a Caixa Econômica, cancelado pelo governo dois meses antes do início da Copa. Recorreu, então, à iniciativa privada, por intermediação das agências de publicidade McCann-Erickson e da J.W. Thompson.

E assim, 30 milhões de brasileiros (dos ”90 milhões em ação” do famoso jingle de Miguel Gustavo) em 4,6 milhões de aparelhos de TV em uso, na época, assistiram as bravatas de Zagalo e, os jogos da Copa, com nove narradores, três de cada Rede, em sistema de rodízio; nenhum deles poderia aparecer no vídeo e em hipótese alguma citar a sua própria emissora. Nos bastidores da mídia o jogo foi pesado, caneladas lá e cá, mas valeu a pena. 

 



***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/moradores-da-lapinha-falam-ao-contrario-e-tem-um-dialeto-o-gualin/
Há meio século, falar ao contrário é considerado sinal de pertença para os moradores “raiz” do bairro da Lapinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/elza-soares-aos-90-e-cheia-de-projetos/
Cantora lança releitura de 'Juízo Final' e faz live neste sábado (4), com participação de Flávio Renegado
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cheias-de-bossa-bebel-gilberto-lanca-parceria-com-martnalia/
Confira também o clipe Hipnose, de Larissa Luz, e a canção Caxixi, de Mariene de Castro
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/veja-o-video-filha-interrompe-entrevista-por-videochamada-e-vira-sensacao-nas-redes/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bia-doria-e-val-marchiori-geram-revolta-ao-falar-de-sem-teto-gostam-de-ficar-na-rua/
Socialite e primeira-dama do estado de SP disseram que pessoas não vão para abrigos pois 'não querem responsabilidades'
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/leonardo-villar-protagonista-de-o-pagador-de-promessas-morre-aos-96-anos/
Ele eternizou o personagem Zé do Burro em filme premiado que se passa na Bahia
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ciclone-bomba-onda-derruba-portao-e-invade-garagem-de-predio-em-sp-assista/
Ressaca atingiu praias na Baixada Santista e deixou rastro de destruição
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mestre-lourimbau-e-localizado-e-esta-internado-em-hospital-no-pau-miudo/
Parentes e artistas fizeram campanha para encontrar berimbalista de 72 anos
Ler Mais