Junior Lima revela ligação de filho com a música: 'Ele é apaixonado'

entretenimento
21.04.2019, 17:03:00
Junior Lima e Monica Benini com o filho, Otto (Reprodução/Instragram)

Junior Lima revela ligação de filho com a música: 'Ele é apaixonado'

Em entrevista ao Gshow, cantor falou sobre paternidade, relação com a esposa e relembra fase difícil na adolescência

O cantor e produtor musical Junior Lima cresceu ouvindo o pai, Xororó, cantando, e hoje é grande influência para o seu primogênito, Otto. Com um ano e seis meses de idade, o pequeno já demostra interesse pela música. Em entrevista ao Gshow, o músico falou sobre a relação do filho com a música, paternidade e também relembrou o primeiro encontro com a esposa, Monica, e fase difícil na adolescência.

“Ele é viciado em música. Partiu dele. Mas eu tenho muita culpa porque o meu dia a dia é música e é o meu jeito de brincar com ele. Quando ele era bem pequeninho, meu jeito de acalmá-lo era tocar um instrumento, fazer um beat box e sempre funcionou", conta Junior.

Junior Lima diz que vida mudou depois da paternidade: 'Mudou para melhor'
(Foto: Reprodução/ Instagram)

Paternidade

"A vida vira do avesso. Mudou tudo, mas para melhor. Vira um caos, mas aquele caos que você gosta mais do que antes. É apaixonante, absolutamente transformador. Eu não tinha medo de nada e, hoje, sou supermedroso. O meu principal projeto da vida agora é criar um ser humano legal, dar uma vida boa para ele, no sentido de experiências", diz Junior. 

Começo da relação com a esposa, Monica

“A gente passou cerca de três meses só conversando e isso foi muito bom porque, quando a gente se conheceu, a gente já tinha se apaixonado pela pessoa uma da outra. Muito mais do que a química que deixou a gente cedo. Foi ótimo porque ajudou a gente a construir a relação muito bem desde sempre. Foi apaixonante."

Bullying

"Sofri muito bullying e pratiquei um pouco também. Não existia essa percepção que existe hoje em dia. Nasci e vivi a vida toda o projeto Sandy e Junior - até acabar; era o filho de famoso que, na sequência, ficou famoso. No meu colégio, eu era a figura diferente, então, lógico que sofri bullying. Não era uma coisa que a galera ficava exaltando. Na minha sala na escola, ninguém me tratava como fã, era o contrário. Era "hahaha", sabe? Aprendi a conviver com isso desde muito cedo. Óbvio que tem aquela coisa de dar a volta por cima em algum momento, mas tudo isso fica muito pequeno diante de tudo que aconteceu na minha vida."

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas