Justiça libera jegues na Lavagem do Senhor do Bonfim

salvador
09.08.2012, 07:33:00
Atualizado: 09.08.2012, 07:36:27

Justiça libera jegues na Lavagem do Senhor do Bonfim

A decisão, tomada com 24 votos a favor da participação dos animais e 10 contra, suspende os efeitos de uma liminar de janeiro de 2011

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Luana Ribeiro
luana.ribeiro@redebahia.com.br

A presença de animais conduzindo carroças na Lavagem do Senhor do Bonfim foi autorizada pelos desembargadores do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ) durante sessão do Pleno realizada ontem. A decisão, tomada com 24 votos a favor da participação dos animais e 10 contra, suspende os efeitos de uma liminar concedida pelo juiz Ruy Eduardo Almeida Britto, da 6ª Vara da Fazenda Pública da capital, de janeiro de 2011, que vetava o desfile de animais.

Foi a Prefeitura de Salvador que solicitou a suspensão da liminar, pedida por duas entidades protetoras dos animais - a Associação Brasileira Terra Verde Viva e a Associação Célula Mãe -, além da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

A justificativa dos desembargadores que votaram a favor é a preservação da tradição do desfile dos jegues na festa, desde que sob fiscalização para impedir maus-tratos. As ONGs, no entanto, criticam a posição da Justiça. “É lamentável que existam animais na festa, não tem nenhuma necessidade. A mentalidade das pessoas mudou e já sabe que os animais têm medo dos fogos de artifício, ficam sem beber água, uma série de maus-tratos”, afirma Gislaine Brandão, presidente da ONG Bicho Feliz.

De acordo com Ana Rita Tavares, da Associação Terra Verde Viva, uma das entidades que  pediram a liminar, as associações  irão recorrer. “Provavelmente vai acabar no Supremo Tribunal Federal. De qualquer forma, a Ação Civil Pública que originou a liminar deve ser julgada até setembro”, diz.

Para ela, o argumento da tradição não sustenta a liberação. “O que os desembargadores que votaram a favor precisam entender é que, no momento em que os jegues foram introduzidos na festa, não existiam veículos motorizados. Todas as provas dos maus-tratos estão nos autos do processo”, diz Ana Rita.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas