Lobão lança livro em Salvador nesta terça-feira (12)

entretenimento
12.09.2017, 14:25:00
Na obra, o músico revela histórias com Cazuza, Ritchie e Julio Barroso (Gang 90) e critica Caetano Veloso (Foto: Divulgação)

Lobão lança livro em Salvador nesta terça-feira (12)

O evento aberto ao público terá sessão de autógrafos às 19h no shopping Bela Vista

O cantor Lobão lança nesta terça-feira (12), às 19h, o livro Guia Politicamente Incorreto dos Anos 80 pelo Rock. O evento, que acontece na Livraria Leitura do shopping Bela Vista, é aberto ao público e terá sessão de autógrafos.

No livro, Lobão fala do nascimento de um rock tipicamente brasileiro, relembra amizades, destila opiniões sobre artistas, fala de parcerias e de decepções da época marcante da qual se autointitula como “sócio-fundador”.  A narrativa tem início no ano de 1976 e vai até 1991. "Com a minha autoridade em relação ao tema, eu mergulho nas entranhas dessa década. Optei por fazer capítulos cronológicos, desde o Festival de Saquearema, que foi um marco na cena dos anos 80, perpassando pelos meus trabalhos com a Blitz, carreira solo (a partir de 1982) e a parceria com Marina Lima. É uma declaração de amor", conta o cantor, que iniciou a carreira em 1974 como baterista no grupo Vímana (com Lulu Santos e Ritchie), e que fez parte da Blitz. 

Na época surgiram bandas, eventos e nomes que representam o “rock dos anos 80”: Circo Voador, o Rock in Rio, a Blitz, a Legião Urbana, os Paralamas do Sucesso, os Titãs, o Ultraje a Rigor, o RPM, Ritchie e Lulu Santos. Além disso, Lobão destaca como característica da época a filosofia dos executivos de gravadoras de “sempre gastar muito para ganhar muito – mas sempre na direção do tosco e do pasteurizado”. 

“Guia Politicamente Incorreto dos Anos 80 pelo Rock”, Lobão (editora Leya) 496 páginas. R$ 59,90
(Foto: Divulgação)

O músico revela ainda histórias com Cazuza, Ritchie e Julio Barroso (Gang 90) e critica Caetano Veloso, a Tropicália e Roberto Carlos. "O pessoal da MPB e Tropicália de 1960 - Caetano, Gil, Chico Buarque e Roberto Carlos - dominaram tudo até 1980, mas se sentiram ameaçados pelo rock. Tanto é que no hiato de 1982 a 1989 eles escreveram mais de 500 músicas. Foi o período mais profícuo da MPB em curto espaço de tempo. Uma produção nunca vista antes feita por pessoas que fizeram músicas alienadas e americanizadas. Um milagre e uma tristeza", afirma. Lobão diz que Caetano Veloso, com seu “poder de coronel”, se sentiu ameaçado porque, “percebeu que havia uma forma artística autêntica que poderia tomar o seu lugar”. Esse, inclusive, é um trecho do posfácio do livro, escrito por Leandro Narloch. 

O cantor garante que, ao ler o guia, as pessoas vão entender como as músicas de rock sobreviveram ao longo do tempo no Brasil, mesmo com a presença de "agentes da destruição". "Uma vez escrevendo, você tem que descorrer o máximo sobre as coisas que você sabe e principalmente sobre os agentes da destruição: a impresa especializada, as revistas de música, etc, que articulavam uma cenografia de um rock muito bacana. Mas o rock nacional não estava incluso nisso", diz.

Relação com a Bahia e novo CD
Quando questionado sobre a relação com a Bahia, Lobão afirma amar o estado, mas não toca aqui fazem dez anos. "Eu amo a Bahia, a comida baiana e o povo baiano. Sinto saudades de tocar aqui, mas sempre que consigo vou", conta ele, que é apaixonado por Caldo de Lambreta. "Adoro. Tem em todo lugar e é uma delícia. Também amo acarajé e moqueca de siri mole", completa.

Ele pousa na capital por volta das 14h30 desta terça (12) lamenta ter que voltar logo para São Paulo na madrugada de quarta (13). "Tenho que estar no estúdio às 9h da manhã. É que estou gravando um disco duplo desse livro. Devo lançar em vinil e em CD próximo do Natal, por meio de crowdfunding [financiamento coletivo]. Serão 25 músicas que marcaram a década. Espero que a gente consiga voltar aqui logo". Entre as músicas do projeto estão Virgem, da Marina Lima; Certas Coisas, do Lulu Santos; Pânico em SP, da Inocentes; além de clássicos da Os Paralamas do Sucesso e da Ira!.

Lobão é compositor de grandes sucessos como Me Chama (ouça abaixo), Vida Bandida, Rádio Blá, Decadence avec Elegance, Vida Louca Vida e Corações Psicodélicos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas