Longas filas, baba e dominó: a saga do torcedor do Bahia por um ingresso da final do Nordestão

e.c. bahia
24.05.2017, 15:00:00

Longas filas, baba e dominó: a saga do torcedor do Bahia por um ingresso da final do Nordestão

Torcida passou a noite nos entornos da Arena para conseguir um bilhete da cota extra disponibilizada pelo Bahia

A torcida do Bahia não mediu esforços para tentar um lugar dentro da Fonte Nova para acompanhar a final da Copa do Nordeste, contra o Sport. Após o anúncio de um lote extra de 3.100 bilhetes, os torcedores passaram a noite nos entornos da Arena. Por volta das 23h de terça-feira já era possível encontrar grupos à espera do início das vendas.

O vendedor Rafael dos Santos afirma ter chegado ao estádio por volta de 1h30. Ele conta que faltou ao trabalho, em uma loja no shopping, para tentar garantir o ingresso. "Vim andando de madrugada da Liberdade. Quando cheguei já tinha umas 150 pessoas. Para passar o tempo a gente ficou jogando bola aqui na rua", contou ele.

Tricolores aproveitaram o tempo na fila para pegar o baba e jogar dominó na Ladeira da Fonte
(Foto: Gabriel Rodrigues/CORREIO)

O mesmo fez um grupo de amigos que saiu de Lauro de Freitas para tentar a sorte na fila. Eles chegaram por volta das 5h e, no meio da rua, iniciaram uma roda de dominó. "Saímos de Lauro 4h30, para o Bahia vale tudo. Falaram que não ia ter ônibus, oxe eu vinha andando. Bahia é uma religião", afirmou o estudante de direito David Oliveira. 

Quem não conteve a ansiedade foi o representante comercial Fábio Azevedo. "Eu estava em casa, eram 23h quando eu soube dessa carga. Fiquei pensando na segurança, mas virava para um lado, virava para o outro e nada de dormir. Pensei: sabe de uma? Peguei a moto, comi uma feijoada e vim pra cá. cheguei aqui 1h40", disse ele, que saiu do São Caetano.

Quem não teve a mesma sorte foi o porteiro Edvaldo Ramos de Souza. Famoso por se fantasiar de Capitão América, ele chegou por volta das 7h e tomou um susto com a fila, que já estava nas imediações do Dique do Tororó. "Vou ter que dar algum pinote, usar os meus poderes", brincou. Edvaldo, no entanto, acabou comprando o ingresso na mão de um dos cambistas que circulavam livremente entre os torcedores. 

O Capitão América Tricolor se assustou com o tamanho da fila e comprou ingresso com cambista
(Foto: Gabriel Rodrigues/CORREIO)

Portões abertos
Por volta das 10h os primeiros torcedores começaram a ter acesso às bilheterias internas da Arena Fonte Nova. Agentes da Polícia Militar organizavam a fila para impedir a ação dos 'furões'. Em certo momento os policiais chegaram a usar gás de pimenta para dispersar a aglomeração. 

O vigilante Alan Mascarenhas (centro) chegou por volta das 22h na Fonte e foi um dos primeiros a garantir o ingresso
(Foto: Gabriel Rodrigues/CORREIO)

O vigilante Alan Mascarenhas foi um dos primeiros a comprar o ingresso e vibrou com a 'conquista'. "Cheguei na Arena por volta das 22h. Fiquei aqui conversando com a galera, batendo o baba na rua. Depois eu tive que sair, fui fazer uma prova e voltei. A torcida do Bahia é uma loucura, só ela mesmo para fazer uma festa dessa", disse. 

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas