Luiz Caldas lamenta morte de engenheiro de som em assalto: "Tanta maldade"

salvador
05.10.2015, 19:15:00
Atualizado: 05.10.2015, 20:31:32

Luiz Caldas lamenta morte de engenheiro de som em assalto: "Tanta maldade"

"Dói vivenciar tamanha barbárie", escreveu o cantor

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O cantor Luiz Caldas usou o Facebook para postar um desabafo sobre a morte do engenheiro do som José Fernando Álvares Gundlach, 62 anos, que foi baleado durante um assalto no Cabula.  José Fernando foi baleado no rosto durante um assalto na tarde de domingo (4), em um ponto de ônibus localizado na Rua Silveira Martins, no Saboeiro.

Engenheiro morreu hoje em hospital; Caldas lamentou crime
(Foto: Reprodução e Arquivo CORREIO)

Caldas, que já trabalhou com o engenheiro de som, lamentou a morte e a criminalidade que assola  o país. "Tanta maldade para roubar um mísero aparelho celular", escreveu o músico. Ele conta que visitou Gundlach no Hospital Roberto Santos no domingo, torcendo pela recuperação do amigo.

"Rezei para que o amigo se recuperasse e que voltasse a sorrir, mas a criminalidade mais uma vez venceu", escreveu. "Dói vivenciar tamanha barbárie".

Leia todo o texto escrito por Luiz Caldas:

O som se cala diante de tanta violência para roubar um celular.

Esta segunda-feira (05/10) ficou cinza, à tarde, com a triste notícia do falecimento do amigo Fernando Gundlach, mais uma vítima da “epidemia” da violência urbana que assola o país.
No domingo, no bairro do Saboeiro, aqui em Salvador, Gundlach sofreu um assalto e os meliantes atiraram sem dó e sem piedade. Mataram uma pessoa do bem que é orgulho para a Bahia quando o assunto é engenharia de som. Tanta maldade para roubar um mísero aparelho celular. Em chuva de sangue sobre o verde e amarelo de um Brasil que era de paz, a vida humana passou a não ter valor, infelizmente. A cultura da violência impera. É a triste realidade. Ainda no domingo, fui ao hospital Roberto Santos, assim que soube do lamentável ocorrido. Dói vivenciar tamanha barbárie. Gundlach é mais uma vida que se vai e que entra na estatística da violência. Rezei para que o amigo se recuperasse e que voltasse a sorrir, mas a criminalidade mais uma vez venceu. Deixo neste momento de dor essas breves palavras e o meu conforto à sua família e aos demais amigos de Gundlach.
Obrigado por ter feito lindos sons comigo. Adeus amigo, obrigado por tudo.

Descanse em paz!

Luiz Caldas

Crime
O engenheiro de som estava em um ponto de ônibus na Rua Silveira Martins, por volta das 13h, quando foi abordado por três homens armados. Segundo informações da polícia, Gundlach foi baleado após reagir ao assalto.

A informação, no entanto, é questionada pelos amigos, que afirmam que ele teria entregado o celular sem reagir. Ainda segundo amigos da vítima, um outro casal que estava no ponto também teria sido assaltado. A Polícia Civil, no entanto, informou que nenhum casal buscou a delegacia da área para registrar a ocorrência.

O caso está sendo investigado pela titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR), delegada Francineide Moura. A 11ª Delegacia (Tancredo Neves) também está colaborando com as investigações. Um familiar de Gundlach foi ouvido pela polícia na manhã de hoje. A polícia busca imagens de circuitos de segurança de estabelecimentos próximos do local do crime para tentar identificar os suspeitos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas