Mãe acorrenta filho em casa para evitar que ele use drogas no Ceará

brasil
10.03.2016, 17:24:00
Atualizado: 10.03.2016, 18:15:01

Mãe acorrenta filho em casa para evitar que ele use drogas no Ceará

Adolescente de 16 anos tem sofrido com crises de abstinência e possui transtornos mentais agravados pelo uso de drogas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma mãe tomou uma medida radical para evitar que o filho de 16 anos faça uso de drogas em Fortaleza, no Ceará. De acordo com o 'G1', a mulher, que não quis se identificar, a mulher acorrentou o filho até conseguir autorização para a internação compulsória do adolescente seja autorizada pela Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. 

“Tive que acorrentá-lo para não vê-lo morto, pois muitas vezes foi espancado na rua. Ele já levou tudo o que tem dentro de casa, maltrata meu pai, que é doente e tem idade avançada. Já procurei todo o tipo de ajuda, sem sucesso. É sempre a mesma resposta: não podemos fazem nada”, desabafa a mulher em entrevista ao 'G1'. 

Adolescente de 16 anos é mantido acorrentado pela mãe dentro de casa para evitar o uso de drogas
(Foto: Reprodução/TV Verdes Mares)

A mulher conta que recorreu junto a Defensoria Pública para tentar a internação do filho, que foi autorizada pelo juiz, mas ainda não foi foi cumprida pela Secretaria de Saúde há mais de dois meses. O adolescente tem sofrido crises de abstinência e, segundo a mãe, transtornos mentais que são agravados pelo uso constante de diversos tipos de drogas. 

“Ele é muito agressivo e o principal alvo é meu pai: um senhor de idade, que tem uma perna amputada, faz hemodiálise e tem várias outras doenças. Ele agride o meu pai diariamente para tomar dinheiro dele, celular, o que ele tiver”, conta.

A Secretaria de Saúde do Estado informou que o rapaz foi transferido para a Sociedade de Assistência de Proteção à Infância de Fortaleza por se tratar de um adolescente. A pasta afirma ainda que a determinação de internação compulsória ainda não chegou ao hospital. A Defensoria Pública, por sua vez, informou que entrará com uma petição para que a Justiça determine com urgência a internação do adolescente.   

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas