Mais de 400 mulheres denunciam violência durante Carnaval; casos serão investigados

salvador
16.02.2016, 07:23:00
Atualizado: 16.02.2016, 10:05:27

Mais de 400 mulheres denunciam violência durante Carnaval; casos serão investigados

Observatório recebeu mais de 460 denúncias de crimes contra a mulher durante a folia em Salvador. Denúncias feitas envolvem assédio e lesão corporal

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Se os casos de  violência contra a mulher, no dia a dia, já estão entre as principais denúncias feitas à polícia, pelo 190, no Carnaval a situação é ainda mais grave, considerando os registros feitos no Ligue 180, que é a Central federal de Atendimento à Mulher. Durante a folia, em todo o estado, foram mais de 15 mil atendimentos, entre 4 e 9 de fevereiro, com 140 denúncias registradas.

Confira o especial O Silêncio das Inocentes na íntegra

As irmãs Thaianna e Ludmylla, vítimas de assédio e agressão
  
(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Em Salvador, um levantamento do Observatório da Discriminação Racial, LGBT e Violência contra a Mulher feito durante a folia também dá uma dimensão  do problema. Apenas nos primeiros cinco dias de festa, entre a quarta-feira e  o  domingo de Momo, foram 461 denúncias — incluindo assédios, lesões corporais e  até estupros — das 1.078 feitas ao observatório, coordenado pela Secretaria Municipal da Reparação (Semur). Os  casos lideraram o ranking de violência contra as minorias na festa, seguidas das denúncias de situação de vulnerabilidade social (308) e discriminação contra LGBT (182).

Um dos casos de assédio e agressão a mulheres no Carnaval deste ano foi vivido pelas irmãs Thaianna, 29 anos, e Ludmylla Valverde, 27. A situação ocorreu na sexta-feira (5), aniversário da advogada Thaianna. Ela tinha ido com a nutricionista Ludmylla curtir a banda BaianaSystem no Campo Grande. Depois, as duas foram para a Barra e esperavam a passagem de Luiz Caldas, na esquina  do Barra Center.

Assédio e agressão
Passava das 22h e, antes que o pai da axé music chegasse, veio o trio da banda Aviões do Forró, comandando o bloco Eu Vou. “Eu estava na frente, passando batom, e vieram dois caras de dentro do bloco. Um deles meteu a mão na minha boca borrando meu batom e começou a limpar a mão suja de batom no meu corpo. Pedi para ele sair, mas ele começou a botar a mão na minha cintura”, lembra Thaianna. Ludmylla tentou intervir. Pediu, sem tocá-lo, que ele se afastasse.

“Ele começou a bater boca, que era pra eu ficar em casa, que não sabia brincar. E eu disse que aquilo não era brincadeira, que eu brincaria com quem quisesse e iria aonde quisesse”, conta a nutricionista. Ludmylla, então, foi empurrada pelo homem e caiu. Foi quando o segundo agressor entrou em cena. “Ele rumou um copo de acrílico, que ainda estava com bebida. Foi uma pancada muito forte. Antes mesmo de botar a mão, senti que o sangue estava escorrendo”, relembrou. A assessoria do bloco Eu Vou não foi encontrada para comentar o caso.

Retrato falado
Após a agressão, os suspeitos fugiram e as irmãs correram para o posto de saúde. Ludmylla teve um corte no supercílio esquerdo, levou oito pontos e chegou a desmaiar.

Diante da violência sofrida, resolveram denunciar os agressores para servir de exemplo. “O Carnaval é um reflexo da nossa sociedade. Ele potencializa essa lógica de domínio, de propriedade”, analisou Thaianna.

Ainda assim, elas sabem que  a maior parte dos assédios e outros tipos de violência contra a mulher permanece invisível. “Não podemos esquecer que sou branca, de classe média e que muitas mulheres até falam, mas não ganham repercussão. Mas a gente pode transformar isso”, ponderou Ludmylla.

Hoje, ela e Thaianna devem fazer o retrato falado de seus agressores, segundo a delegada Carmen Dolores, titular da 14ª Delegacia (Barra). Segundo ela, as imagens das câmeras de segurança do circuito Barra-Ondina já começaram a ser analisadas. Os suspeitos podem responder por lesão corporal, injúria e importunação ofensiva ao pudor. Ainda conforme Dolores, outros casos de violência contra a mulher na festa estão sendo investigados.

Machismo 
Para a secretária estadual de Políticas para as Mulheres, Olívia Santana, o caso representa bem o que deve ser combatido. “Elas vivenciaram uma situação de machismo extrema. É como se a mulher não pudesse dizer não. A mulher tem liberdade de namorar se quiser namorar”, comentou.

Para a gerente de conteúdo e comunidade da campanha Chega de Fiu Fiu, Luíse Bello, o Carnaval é mesmo uma festa em que o assédio sexual fica mais escancarado.

Nessa época, a equipe apoia iniciativas em todo o Brasil, como a campanha #CarnavalSemAssédio em suas redes sociais. “Não consigo pensar em nenhuma outra festa que seja tão emblemática nesse sentido por causa dos blocos, dos trios elétricos, dessa coisa de ser na rua”, citou.

Ainda conforme Luíse, na festa, a mulher se sente mais desprotegida. “A gente fica com mais medo de estar ali. A mulher sempre vai ter uma necessidade maior de pensar no seu bem-estar. Tem que ficar muito atenta com essa responsabilidade que não devia ser nossa, mas é”, lamentou.

Série do CORREIO mostrou drama de estupros
A série de reportagens O Silêncio das Inocentes, publicadas no CORREIO entre 9 e 13 de dezembro, reuniu diversos relatos de estupros ocorridos em Salvador e provocou a discussão sobre o tema. Durante cerca de quatro meses, a equipe de reportagem apurou 116 casos de agressão sexual a mulheres na capital e mereceu uma moção do Senado federal.

“A série conseguiu documentar histórias de quem vive esta realidade”, afirmou a senadora Lídice da Mata, que apresentou a moção. Para a senadora, o silêncio sobre o assunto torna a sociedade conivente com o crime e discutir o problema serve também para inibir a ação dos criminosos.

“O silêncio naturaliza esse mal. O papel da imprensa é não permitir que isso aconteça e provocar o debate. Até porque, através dessas discussões, as vítimas tomam conhecimento de seus direitos e o agressor conhece as penalidades”, disse Lídice, durante entrevista ao CORREIO.

Ainda por conta da série, representantes do CORREIO, do Ministério Público da Bahia (MP-BA), da Polícia Civil e de outras instituições discutiram o assunto em uma audiência pública na sede do MP, em 14 de dezembro passado. A audiência foi criada, especificamente, para debater o assunto.

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-um-susto-targino-se-prepara-para-cantar/
Músico sofreu grave acidente de carro, mas escapou ileso e agora se prepara para fazer lives
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sao-joao-sera-comemorado-com-maratona-de-lives-promovidas-pelo-correio/
Serão seis apresentações de bandas e cantores durante o projeto, que arrecadará doações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/junho-chegou-correio-promove-lives-para-comemorar-o-sao-joao/
Apresentações acontecem sempre às sextas e sábados de junho, às 19h
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/editorial-fotografado-a-distancia-une-tres-paises-na-quarentena/
O ensaio foi realizado pela plataforma Zoom, usando celular
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bau-de-marrom-a-bahia-tambem-ensina-ao-mundo-como-cantar-e-dancar-forro/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/copo-de-leite-faz-haddad-acusar-bolsonaro-de-brindar-supremacistas-brancos-entenda/
Leite tem sido usado como símbolo por neonazistas nos EUA; petista enxergou provocação após repercussão de mortes de homens negros. Presidente nega
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/anastacia-comemora-80-anos-com-muito-forro/
Cantora e compositora lança EP com produção de Zeca Baleiro e parcerias com Mariana Aydar, Chico César e Amelinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/nizan-guanes-vai-entrevistar-roberto-medina-abilio-diniz-e-washington-olivetto/
As entrevistas são parte do Sunday Night Live que o publicitário tem realizado em sua conta do Instagram
Ler Mais