Mano elogia reação em empate e diz ser perseguido por arbitragem

e.c. bahia
16.10.2020, 23:15:00
Atualizado: 17.10.2020, 00:38:31
Mano Menezes foi expulso ao final do jogo e não comandará o Bahia contra o Atlético-MG (Foto: Felipe Santana/EC Bahia)

Mano elogia reação em empate e diz ser perseguido por arbitragem

Treinador foi expulso ao final da partida contra o Goiás

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Se para alguns o empate por 1x1 com o Goiás, lanterna do Campeonato Brasileiro, foi mais um tropeço do Bahia no Campeonato Brasileiro, o técnico Mano Menezes prefere observar a partida pela ótica do "copo meio cheio".

Na análise do treinador, o Bahia conseguiu apresentar boas situações e merecia ter saído de campo com o triunfo, mesmo o empate tendo acontecido apenas aos 49 minutos do segundo tempo. O treinador elogiou o poder de reação que a equipe teve depois de sair em desvantagem e ficar com um jogador a menos.

"Merecia sorte melhor pelo comportamento que teve, principalmente pelo gol cedo que sofremos. Uma falha de posicionamento, demoramos para recompor, perdemos a bola, nos pegaram aberto pelo lado direito, a bola entrou entre o nosso lateral direito e o central. É uma bola que estamos trabalhando para que não entre ali. Às vezes acontece, hoje aconteceu e nos custou caro. Depois a equipe fez por merecer um resultado melhor", disse ele.

Apesar dos elogios, o treinador criticou o comportamento da sua equipe. Segundo ele, os atletas precisam mudar a postura de só reagir após sofrer o gol. 

"Penso que a equipe deve mudar esse comportamento de primeiro sofrer o gol para depois ter o poder de reação, isso é uma questão de comportamento, não é uma questão tática. Precisamos corrigir pois não podemos estar sofrendo para depois ter esse tipo de comportamento", continuou Mano.

Ainda sobre a partida, o técnico falou sobre a série de expulsões que o Bahia teve. Entre os jogadores, Élber e Rossi receberam o vermelho por reclamações. Pelo mesmo motivo, o auxiliar Sidnei Lobo e o próprio Mano Menezes também foram expulsos. Segundo o treinador, a punição aconteceu por perseguição após o comportamento durante a derrota para o Fluminense, em que xingou o árbitro da partida.

"Penso que fui expulso pelo jogo passado, expulso depois de um jogo que tínhamos acabado de empatar e estava feliz pelo comportamento do grupo, não poderia ter falado nada para ser expulso. Mas o quarto árbitro desde o início do jogo sempre esteve uma atitude provocadora. Ele expulsou o Sidnei (Lobo, auxiliar) e ficou olhando para ver a minha atitude e chamar o árbitro. Eu não dei esse gostinho a ele, sabia que hoje as coisas seriam mais rigorosas. Vi o jogo do Flamengo contra o Bragantino ontem, durante todo o jogo falando sobre os técnicos, sobre mim", explicou Mano, antes de continuar: 

"Então, tem muito ex-árbitro falando e pouco treinador falando para defender treinador. Acho que no futebol tem que ter equilíbrio. Tem muito ex-árbitro comentando, muito ex-jogador, acho que temos que ter treinadores para defender os treinadores. Fica parecendo que o problema da arbitragem brasileira passa somente pelos treinadores de futebol", analisou ele.

Sem Mano Menezes à beira do campo, o Bahia volta a atuar na próxima segunda-feira (19), quando recebe o Atlético-MG, às 20h, no estádio de Pituaçu. O tricolor é o atual 16º colocado do Brasileirão, com 16 pontos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas