Maradona em última entrevista: 'Me pergunto se ainda vão me amar'

esportes
25.11.2020, 15:17:00
Atualizado: 25.11.2020, 15:17:55
Maradona na estreia como técnico do Gimnasia y Esgrima (Foto: Shutterstock/Reprodução)

Maradona em última entrevista: 'Me pergunto se ainda vão me amar'

Astro argentino, que morreu nesta quarta-feira (25), aos 60 anos, recentemente questionou sobre a própria idolatria

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Diego Armando Maradona é, sem dúvidas, o maior ídolo do futebol argentino, além de ser um dos maiores nomes do esporte mundial. Mas, incrivelmente, ele se questionava sobre sua própria idolatria. Em sua última entrevista, o astro se mostrou surpreso com a recepção da torcida até hoje. Maradona morreu nesta quarta-feira (25), aos 60 anos, após parada cardiorrespiratória.

"Eu serei eternamente grato ao povo. A cada dia me surpreendem, o que vivi nessa volta ao futebol argentino jamais esquecerei, excedeu o que eu poderia imaginar. Estive fora por muito tempo e às vezes me pergunto se as pessoas ainda vão me amar, se continuarão a sentir o mesmo", disse o ex-jogador ao Clarín, um dos mais importantes jornais da Argentina, no mês passado.

Na entrevista, Maradona também falou sobre a emoção de assistir algum compatriota defendendo as cores de seu país em algum esporte. 

"Tudo, eu assisto tudo, sigo qualquer argentino onde quer que esteja. Onde a bandeira argentina estiver presente estarei sempre torcendo. Quando vejo o rosto de um atleta argentino que vence, fico emocionado. Outro dia vi o Peque (Diego Schwartzman) com o Nadal e sofri mais do que ele", comentou.

O ídolo também lamentou os problemas causados pela covid-19 e fez elogios ao presidente Alberto Fernández. 

"Quero que todos os argentinos estejam bem, temos um lindo país e tenho certeza de que nosso presidente saberá nos tirar deste momento. Fico muito triste quando vejo crianças que não têm o que comer. Sei o que é passar fome e isso não pode acontecer no meu país. Esse é o meu desejo: ver os argentinos felizes, com trabalho e comendo todos os dias".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas