Mariana Rios relembra trajetória sofrida para fama e drama de aborto: ‘cresci como pessoa’

entretenimento
14.09.2020, 21:10:00
Atualizado: 14.09.2020, 21:11:42
(Foto: Reprodução/Instagram)

Mariana Rios relembra trajetória sofrida para fama e drama de aborto: ‘cresci como pessoa’

Atriz foi entrevistada por Joca Guanaes durante o Segundou, no CORREIO; assista

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O sorrisão no rosto e as palavras de otimismo podem fazer muita gente se enganar com o que está por trás da história da atriz e cantora Mariana Rios, entrevistada no #Segundou, programa do Instagram do CORREIO, nesta segunda-feira (14). Aos 35 anos, a multiartista (que também compõe e escreve) teve uma infância humilde em Araxá, cidade de médio porte do interior mineiro, e passou pelo menos quatro anos de perrengues e batalhas até conseguir seu primeiro papel importante na TV, em 2008: a espevitada Iasmim, em Malhação, com a qual conquistou o Brasil de cara.

A partir dali, segundo ela, sua vida “começou de outra forma”, e coroou uma trajetória em busca da fama e reconhecimento que já trilhava desde muito cedo. Aos sete anos, por exemplo, lembra de ter perguntado aos pais como fazer para ser uma atriz de destaque: mudar para o Rio de Janeiro foi a primeira resposta.

“A família sempre soube que eu mudaria para Rio ou São Paulo quando fizesse 18 anos. Com 7 anos, eu perguntei à minha mãe o que tinha que fazer para ser atriz. E eu fiquei esperando. Os 18 anos, na minha cabeça, representava uma certa independência”, contou ela na conversa com Joca Guanaes, na qual lembrou do melhor dia de sua vida - a conquista do papel na novela da Globo - e um dos piores deles, que foi a perda recente do bebê. Tudo isso, segundo ela, serviu de aprendizado e a fez 'crescer muito como pessoa'.

Perrengues no Rio
Os sofridos quatro anos pré-fama, no Rio, foram lembrados com bom humor pela atriz, que disse ser uma pessoa focada em tudo que faz, sempre. 

Para se manter na Cidade Maravilhosa, enquanto estudava teatro na CAL e buscava o primeiro papel de destaque, se virou como pôde. Foi vendedora de loja de shopping, vendeu trufas de chocolate onde podia, por exemplo.

“Dos 18 aos 22 anos, eu batalhei tanto, eu passei por tanta coisa... Quando eu entrei em Malhação já tinha acontecido tanta coisa. (...) Foi Deus colocando tudo no meu caminho, o universo conspirando”, comentou ela, que morou durante 1 ano e meio num quartinho da casa da tia, que era a área de serviço. 

“As pessoas acham que eu saí de Araxá e fui direto pra Malhação. Eu fui saber o que era pegar um táxi quando eu entrei em Malhação. O meu dinheiro era contado”, destacou ela, que também lembrou da divertida ocasião em que entrou numa concessionária de carros de luxo e informou aos familiares que um carro daqueles um dia ia ser dela. Anos depois, a representação da Jaguar no Brasil a procurou para consultá-la sobre a possibilidade de ser embaixadora da marca no país, fazendo o sonho, finalmente, se tornar realidade.

“Acreditem sempre nos sonhos de vocês, porque se você sonha, e se vem de dentro, você realiza. Não tem outra opção”, comentou ela, que se declarou espírita kardecista.

Crescimento pessoal
Mariana Rios sofreu um aborto espontâneo durante a pandemia. Grávida do primeiro filho, fruto do relacionamento com o empresário Lucas Kalil, ela chegou a gravar um vídeo agradecendo pelas mensagens de apoio e fez um depoimento emocionante sobre a perda do filho.

Sobre essa situação, conta ter retirado o máximo de aprendizado que podia e, desde que assimilou tudo, decidiu seguir em frente de forma ainda mais otimista. 

“Nessa pandemia, tudo que aconteceu, pra mim, eu não tive perdas porque eu cresci muito como pessoa. (...) Eu tive ganhos como pessoa, como ser, na minha parte espiritual. Só tenho a agradecer pelo privilégio de ter saúde”, comentou ela, ao ser elogiada por Joca Guanaes sobre a generosidade de expor e dividir aquela situação tão delicada com seu público. Isso ajudou muitas mulheres que passaram pelo mesmo problema a tentar superar o trauma.

“Eu recebi mais de 30 mil mensagens de mulheres dividindo a experiência delas comigo. Foi uma troca e um processo. (...) Eu pensei: como é que eu vou virar essa chave? Me abrindo, falando o que eu estou sentindo. (...) O amor é inerente ao ser humano, mas o sofrimento é opcional. E eu não tinha noção de como eu ia receber esse amor de todos. E por isso que eu falo que eu não tive perdas”, avaliou ela.

Livro à vista
Além de atriz, cantora e compositora - futuramente pianista, já que está dedicada a aprender o instrumento de forma profissional -, Mariana também é adepta da arte de escrever. Durante a pandemia, decidiu colocar suas memórias e filosofia de vida no papel, o que renderam incríveis 900 páginas batidas. Já editou a maior parte do material e, até o final de novembro, irá lançar um livro. 

“Comecei a escrever em abril, início da quarentena. Fala da força do pensamento. A lei da mente é implacável. Desejo lançar o livro no final de novembro porque eu quero que as pessoas comecem o ano lendo esse livro. Eu quero que as pessoas saibam que existe um segredo para fazer isso (alcançar os objetivos). Vou estar dividindo o que funcionou para mim”, comentou a estrela carismática, que atualmente vive em São Paulo, pratica meditação e busca uma vida cada vez mais equilibrada e bem-aventurada. 

Confira o bate-papo na íntegra.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas