Matheus Nachtergaele encena peça com poemas da mãe que se suicidou

entretenimento
20.09.2017, 06:10:00
Matheus Nachtergaele atua e dirige a peça (Foto: Leo Aversa/Divulgação)

Matheus Nachtergaele encena peça com poemas da mãe que se suicidou

Espetáculo Processo de Conscerto do Desejo está em cartaz em Salvador de hoje a domingo na Caixa Cultural

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Duas cadeiras, um violão, um espelho e alguns poemas. Com esses elementos, o ator Matheus Nachtergaele homenageia sua mãe, a poeta Maria Cecília Nachtergaele, no espetáculo Processo de Conscerto do Desejo, em cartaz em Salvador desta quarta-feira (20) a domingo (24), na Caixa Cultural. A escritora se suicidou em 1968, aos 23 anos, quando ele tinha três meses. Na peça, o artista incorpora o eu lírico da mãe e recita 28 textos dela, acompanhado do músico Luã Belik e do violinista Henrique Rohrmann.

Diferente de outras montagens, essa mexe com ele de maneira peculiar. “São os textos da pessoa que mais amei na vida e que sequer conheci. É muito perturbador, mas muito prazeroso. Minha mãe não faz parte das minhas lembranças, mas está cravada em mim de muitas formas. E o teatro me proporciona finalmente fazer algo com ela. Proporciona esse encontro”, diz Nachtergaele, que também dirige a peça.

(Foto: Leo Aversa/Divulgação)

Apesar de lembrar da mãe em todos os espetáculos, Matheus diz que esquece que ele é o filho abandonado quando está em cena. “Às vezes percebo coisas que não tinha visto ou a reação de alguma pessoa me afeta de uma forma diferente. Me mordo e percebo que é a minha história”, lembra.

Se por um lado o espetáculo traz aspectos íntimos, por outro discute questões elementares. “Me impressiona o fato de comover as pessoas para além da minha história com a mamãe. Trata-se de algo universal: fazer as pazes com as tragédias da vida. Isso é de todos nós”, reflete.

O ator confessa que a obra foi também uma forma dele fazer as pazes consigo mesmo. É que, ainda na infância, se culpava pela morte da mãe. “Era um assunto doloroso para o meu pai, ainda mais que suicídio é um tabu. Quando tinha 16 anos e nem pensava em ser ator, ele me contou a verdade e me deu os textos. Passei a vida tentando entendê-la e entender seus motivos. Encontrei algumas pistas nos poemas”.

Na peça, Matheus Nachtergaele usa roupas da mãe, recita seus poemas e canta músicas que ela gostava
(Foto: Leo Aversa/Divulgação)

A ausência da mãe o marcou de forma profunda, fazendo ele voltar em ondas dolorosas de tempos em tempos. “Talvez o suicídio seja uma negação, mas escrever poemas e deixá-los para o seu filho seja um desejo íntimo de perpetuar, de estar presente. A tragédia virou poema e a morte virou vida. As pessoas vão, mas a gente fica e vai vivendo com isso. Estou aqui, com as roupas e textos dela, vivendo Maria Cecília, e contando um pouco de quem sou e de onde vim”.

A primeira apresentação de Processo de Conscerto do Desejo foi em 2015, quando o espetáculo nem era peça. Quase dois anos depois, o ator já passou por várias cidades. “Fiz questão de manter o nome ‘processo’, pois sabia que teria mudanças ao longo do tempo. Em Salvador, a montagem volta ao seu formato inicial e terei uma relação mais intimista com o público”, adianta o ator e diretor, que está curioso para ver qual será a reação do público. Veja alguns trechos da peça.

Relação com Salvador
Nachtergaele está ansioso para chegar a Salvador. A relação dele com o estado vai além da paixão por Dorival Caymmi e sua obra. Aqui, ele também viveu um grande amor. “Quero ver como vou me sentir ao voltar. A última vez que me apaixonei profundamente foi na Bahia, em uma das minhas idas para gravar Ó Paí, Ó. Sempre que ouço as canções que falam sobre pessoas que deixaram um amor na Bahia lembro desse amor. Foi um lugar onde amei de verdade, de chorar no bar. Foi uma paixão retumbante que começou no Farol da Barra”, lembra.

Em Salvador, ele gravou duas séries: Pastores da Noite, de Sérgio Machado, e Ó Paí, Ó, com o Bando de Teatro Olodum. “Tenho grandes amigos e que não vejo faz tempo. Antes me jogava até na pipoca, mas estou mais calmo. Quando tenho algum tempo livre, fico quieto em casa”, esclarece o ator, que está com 49 anos.

A primeira vez que Matheus veio para Salvador foi de férias a convite do ator Luiz Miranda, amigo da época da Escola de Arte Dramática da USP. “Eu namorava a Mariana Lima e ele nos chamou para passar férias. Voltei algumas vezes. Fui com Otto em um Carnaval e a gente começou a curtir na primeira noite e só paramos no último dia. Voltamos andando e nem lembro como. Precisamos de dois dias para nos recuperar”.

Serviço
O quê: Peça Processo de Conscerto do Desejo com Mateus Nachtergaele
Quando: 20 a 24 de setembro de 2017 | quarta a sexta, às 20h | sábado e domingo, às 18h e 20h
Onde: Caixa Cultural Salvador (Rua Carlos Gomes, 57 – Centro)
Classificação: 16 anos
Duração: 60 minutos
Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)
Vendas: a partir das 9h de quarta (20)
Mais informações: (71) 3421-4200

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas