'Me senti uma criminosa', diz Tandara sobre saída da Olimpíada

esportes
22.09.2021, 11:00:00
Tandara deixou a Olimpíada de Tóquio após testar positivo em exame antidoping (Wander Roberto/COB)

'Me senti uma criminosa', diz Tandara sobre saída da Olimpíada

Jogadora de vôlei deixou os Jogos do Japão após ser flagrada em exame antidoping

Pouco mais de um mês após ter que deixar a Olimpíada de Tóquio, Tandara lamentou a situação. A jogadora estava prestes a disputar a semifinal de vôlei entre o Brasil e a Coreia do Sul quando testou positivo em exame antidoping para a ostarina, substância que ajuda no ganho de massa muscular. 

"Meu mundo caiu. Me senti completamente sem chão. É surreal. Não consigo descrever a sensação, mas o sentimento é muito ruim e, de verdade, não gostaria de passar por isso novamente. Não desejo a ninguém", disse, em entrevista à Vogue Brasil.

Segundo a defesa de Tandara, a contaminação foi acidental, o que foi reforçado pela atleta. Uma contraprova deve sair em breve. 

"Eu não ingeri nada. Tenho minha consciência tranquila que em nenhum momento eu me prejudicaria. São 18 anos como atleta profissional. Então, acredito que a justiça vai ser feita de alguma maneira e que vai realmente provar que sou completamente inocente nisso", afirmou.

"Não arriscaria minha carreira por uma imbecilidade dessas. Não seria burra para fazer isso. Acredito que a justiça vai ser feita", acrescentou.

Após a comissão técnica tomar conhecimento do resultado do exame, Tandara foi separada do restante do grupo e, a partir dali, foi decidido que ela voltaria ao Brasil sem entrar em contato com a equipe. 

"Sabe quando te arrancam um pedaço? Foi o que senti naquele momento. Me falaram que eu teria duas horas e meia para arrumar minhas coisas e vir para o Brasil, porque eu tinha um prazo para juntar a minha defesa. Foi complicado porque parecia que eu era uma criminosa. Totalmente afastada. Uma hora eu estava com o grupo, meia hora depois tinha sido arrancada daquele espaço. Não podia mais ver ninguém, fazer nada".

Aos prantos, ela recebeu o apoio do técnico Zé Roberto Guimarães. "Ele foi a primeira pessoa que disse que confiava em mim. Se eu estava falando que não faria nada para me prejudicar, ele acreditou e ficou do meu lado".

Tandara perdeu os dois últimos jogos da seleção, que renderam a medalha de prata nos Jogos Olímpicos. "Até me emociono porque foi um dos momentos mais difíceis para mim. Trabalhei cinco anos para estar lá. Então ver a final do jeito que foi. Sabíamos da grandeza dos Estados Unidos...", comentou.

"E eu falo como se estivesse lá, porque fiz parte. Lá só tinham 11 atletas e 11 medalhas. Doeu muito, mas acredito que tudo acontece com o permitir de Deus. Tem um propósito nisso. Fica um pouco de tristeza, mas fico feliz pela campanha que fizemos. Chegamos desacreditadas e estávamos no pódio. Essa é a maior recompensa", acrescentou.

"Queria ter voltado e sido reconhecida pelo meu trabalho, não por esse fato. Me entristece bastante. Ao mesmo tempo tem uma torcida muito grande. Nem sabia que teria. Vai passar e não tenho dúvida de que será resolvido", finalizou a atleta.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas