Meteorito causou danos de US$ 30 milhões na Rússia

mundo
16.02.2013, 08:39:00

Meteorito causou danos de US$ 30 milhões na Rússia

Incidente deixou mais de 1.000 feridos. Segundo especialistas, este é o maior objeto a atingir a Terra em um século

Folhapress

As autoridades da região de Chelyabinsk, nos Montes Urais, calculam em mais de US$ 30 milhões os danos materiais causados pela queda do meteorito que ontem deixou mais de 1.000 feridos. “Ao redor de 100 mil proprietários de imóveis foram afetados. Os danos chegam a mais de 1 bilhão de rublos (US$ 30 milhões)”, disse o governador da região, Mikhail Yurevich, em entrevista coletiva.

Yurevich acrescentou que 30% das janelas quebradas pela onda explosiva do meteorito já foram reparadas, e o restante será consertado durante a próxima semana. O governador precisou que o edifício mais danificado foi o Palácio de Gelo A Rajada de Chelyabinsk, cuja armação e três vigas horizontais ficaram deformadas.

LEIA MAIS:
Diversas câmeras flagraram queda de meteoro na Rússia; veja os vídeos
Queda de meteoro na Rússia deixa mais de 500 feridos

O meteorito caiu ontem a 80 quilômetros da cidade de Satka, no distrito de mesmo nome, por volta das 9h20 locais, mas a onda expansiva afetou várias regiões adjacentes e até a vizinha república asiática do Cazaquistão. Até o momento, as autoridades locais informaram que 1.100 pessoas foram feridas, em sua maioria devido à ruptura de vidraças.


Cerca de 3 mil edifícios sofreram danos, de acordo com o Ministério do Interior russo (Foto: AFP)

Segundo especialistas, este é o maior objeto a atingir a Terra em um século. O último havia sido em 1908 no lago Tunguska, na Sibéria, quando um objeto de 100 metros explodiu sobre a região. Estima-se que o objeto pesasse 7.000 toneladas antes de se partir na atmosfera. “Estava sentado trabalhando e a janela estava levantada. Em segundos foi como se a cidade inteira tivesse sido iluminada. Olhei para fora e vi uma grande mancha brilhante no céu que durou dois, três minutos e então os cachorros começaram a uivar”, disse um homem identificado como Artyom que falou à rádio Moscou FM. Tcheliabinsk tem pouco mais de 1 milhão de habitantes e fica cerca de 1.500 km a leste de Moscou.

A região tem forte presença de indústria bélica, inclusive com produção de armas nucleares. Não há informações de vazamento de radiação, segundo fontes do governo. Coincidência Apesar da coincidência, a queda do meteoro na Rússia e a passagem “de raspão” de um asteroide pela Terra ontem não são eventos relacionados, segundo especialistas. “É literalmente uma coincidência cósmica”, afirmou Alan Fitzsimmons, do Centro de Pesquisa de Astrofísica da Queen's University, em Belfast (Irlanda do Norte), à BBC.

“O asteroide vai do sul para o norte; o meteoro não estava nessa trajetória, e a separação de tempo entre a passagem dos dois é significativa”, afirmou Don Yeomans, da Nasa, chefe do departamento de Objetos Próximos da Terra. Qeuda O asteroide 2012 DA14 chegou à sua distância mínima da Terra às 17h25 de ontem no horário de Brasília, enquanto que o meteoro foi visto ainda de madrugada. Na opinião de Daniela Lazzaro, chefe do projeto Impacto do Observatório Nacional, que monitora asteroides e outros objetos espaciais potencialmente perigosos, essas são evidência fortes de que esses eventos não foram relacionados. Ela ressalta que fenômenos como esse são bastante comuns. “A maioria cai no mar ou em zonas desabitadas, e ninguém acaba se ferindo.”

Um meteoro cai durante a chuva das Leonídeas de 2009
Queda de meteoro na Rússia deixa 100 feridos (Foto: Flickr)

Onda de choque
Segundo a pesquisadora, é preciso destacar que as pessoas não foram feridas por fragmentos do objeto em si, mas pelas efeitos causados pela queda. “É como se fosse a explosão de uma bomba. Os destroços, os vidros é que acabaram ferindo as pessoas. É muito difícil que tenha sobrado algum fragmento para ferir alguém”, diz ela.

A entrada do meteoro na atmosfera foi capturada por diversas câmeras de vigilância que ficam nos painéis dos carros russos. Os motoristas do país usam as câmeras nos veículos para obter provas para reclamar o seguro de acidentes, num país em que más estradas, tempo extremo e motoristas alcoolizados produzem altas taxas de acidentes.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas