Milan recorre à CAS para reverter punições aplicadas pela Uefa

esportes
25.12.2018, 17:00:00
Atualizado: 25.12.2018, 17:00:17
Milan corre o risco de ser banido das próximas competições europeias nas temporadas 2022/2023 ou 2023/2024 (Foto: Divulgação/Milan )

Milan recorre à CAS para reverter punições aplicadas pela Uefa

Uefa multou a equipe italiana em R$ 53 milhões por não cumprir regras de fair-play financeiro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Milan resolveu acionar a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) contra as punições que recebeu da Uefa no último dia 14 de dezembro, informou o clube por meio de um comunicado divulgado em seu site oficial.

Um dia depois de o time italiano ser eliminado da Liga Europa, ainda em sua fase de grupos, a Uefa multou a equipe em 12 milhões de euros (cerca de R$ 53 milhões) e ainda informou que poderá suspendê-la por dois anos das competições continentais por quebrar as regras de fair-play financeiro estabelecidas pela entidade.

No último dia 14, a Uefa informou que, se o clube italiano não conseguir colocar em ordem as suas contas relacionadas ao futebol até junho de 2021, será banido das próximas competições europeias nas temporadas 2022/2023 ou 2023/2024.

Inicialmente, a Uefa proibiu o Milan de disputar a Liga Europa, em punição aplicada em junho, por causa de valores gastos pelo clube nas transferências e salários de jogadores até 2017. O time italiano, porém, foi reintegrado à competição semanas depois pela Corte Arbitral do Esporte, que pediu à Uefa uma "punição mais justa".

Naquela ocasião, a CAS afirmou que uma proibição imediata de disputar a Liga Europa seria dura demais, pois o time estava sob nova direção, após ser comprado pelo fundo norte-americano Elliott Management. O grupo assumiu o controle do Milan em junho, depois que o ex-dono Li Yonghong perder um prazo para o pagamento de parte de um empréstimo no valor de mais de 300 milhões de euros (algo em torno de R$ 1,3 bilhão) para aquisição do time.

A Uefa também impôs ao Milan uma limitação de 21 jogadores para o seu elenco nas duas próximas temporadas nas competições europeias, punição contra a qual o Milan também está recorrendo neste apelo apresentado à CAS. 

Para a temporada 2017/2018, o Milan gastou mais de 200 milhões de euros (R$ 880 milhões) em contratações. Mas, além de ser eliminado precocemente na Liga Europa, o clube é apenas o quinto colocado no Campeonato Italiano, no qual ainda fará mais duas partidas em 2018. Primeiro enfrenta o Frosinone, nesta quarta-feira, fora de casa, e depois fecha o ano encarando o SPAL, em Milão.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas