Muita brutalidade pra dar conta

textão
21.08.2019, 11:05:05
Atualizado: 21.08.2019, 11:47:59

Muita brutalidade pra dar conta

Senta que lá vem...

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Tudo começou num sábado de manhã de um ano que não me lembro, quando eu passeava tranquilamente pela Baixa dos Sapateiros com Laura. Sem que eu esperasse, um louco aos berros e com uma bíblia na mão, meteu a mão nas minhas guias de Omolu e Iansã, penduradas no pescoço, não para roubá-las, mas para quebrá-las ali em público, causando um vinco vermelho e ardente no meu pescoço. As contas vermelhas, pretas e brancas rolaram sobre o asfalto negro da Avenida J.J. Seabra. O homem era um fanático e eu não reagi, nem tentei segui-lo na sua carreira desesperada e aos berros para exorcizar o demônio do meu corpo. A Baixa dos Sapateiros inteira assistiu à cena silenciosamente. O azul do céu estava bonito demais para me aborrecer com maluco.

No regresso, passei nas 7 Portas, comprei – e lá mesmo lavei seguindo os preceitos sagrados -, fios de contas dos meus Orixás, muito mais belas e vistosas. Sai exultante, abri mais um botão da camisa para expor a beleza das joias sob o sol luminoso. À tarde fui ao shopping Barra assistir um filme, muito exibido com as minhas contas novas. Ao descer as escadas rolantes, senti um baque seco no pescoço e contas rolando pela engrenagem da escada. Dessa vez era uma senhora branca e histérica que repreendia o Satanás e ainda me culpou pelo fato de as contas terem travado o mecanismo da geringonça rolante. Seguranças e a filha da desequilibrada formaram um coro do “deixa disso”.

Não perdi o meu programa. Assisti ao filme de Copolla e na saída, numa loja de souvenir ali mesmo no shopping, comprei por um preço faraônico duas guias dos meus Orixás, mas de qualidade inferior àquelas que a velha branca da escada rolante havia quebrado. Essas duraram até os festejos do 2 de Julho. Na passagem do batalhão de seguidores do deputado Sargento Isidoro, senti um puxão que já estava ficando conhecido. E as contas rolaram misturadas à multidão, sobrando nas minhas mãos o fio de nylon e duas ou três miçangas de cada uma delas.

Não me fiz de rogado. No mesmo dia, no Pelourinho mesmo, cometi uma loucura financeira e adquiri uma guia de Omolu com feche de prata e uma de Iansã, com uma bela pedra de coral no nó de amarração. Era até perigoso andar pelas ruas com algo tão valioso, dividido em dez vezes no cartão. Semanas depois fui convidado para participar de um programa da televisão local. O diretor, muito discretamente, me pediu que eu as escondesse de modo que elas não aparecessem, quando gravassem o meu depoimento. Assim o fiz sem dar importância ao insulto que mais uma vez a minha religião sofria.

Na manhã seguinte, uma mulher negra, que estava sentada ao meu lado no metrô, levantou-se pálida e de olhos arregalados, ao dar conta de um pedacinho das guias que se entremostravam um pouco acima da gola da minha camiseta de malha. E outras e outras história de igual teor a mim se sucederam, nesse jogo duro do racismo na Cidade da Bahia.

E eu persistente, continuava a usar as minhas guias, acrescidas de outras: uma linda de Oxalá, uma amarela vibrante da Padilha Cigana, uma que é um mimo colorido dos Erês. Meu pescoço sente o peso e o calor das joias que orgulhosamente carrega. Noite passada eu tive um sonho com Nanã Buruquê, que me aparecia velhinha se apoiando em um cajado e me dizia: “essas suas contas são enfiadas em fio de aço – presente de Xangô". E essas contas força humana nenhuma quebrarão.

Texto publicado originalmente no Facebook e replicado com permissão do autor

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pensei-em-me-matar-diz-atriz-de-malhacao-apos-video-em-site-porno-veja-desabafo/
Pillar Costa, que atuou na novela da Globo no ano passado, entrou em depressão
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/claudia-leitte-festeja-40-anos-com-live-repleta-de-convidados/
Any Gabrielly, Léo Santana, Zaac, Hungria Hip Hop, Lore Improta, Bera e Dennis DJ estarão na festa
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/nivus-ja-rodamos-na-bahia-com-o-novo-suv-da-volkswagen/
Em vídeo, apresentamos as primeiras impressões sobre o veículo que tem piloto automático inteligente e detector de fadiga
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-zidane-renata-fan-recebe-parabens-de-david-beckham-assista/
Ex-jogador inglês enviou mensagem que foi reproduzida no ‘Jogo Aberto’, da Band
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pf-cumpre-mandados-contra-quadrilha-que-fraudou-mais-de-r-4-milhoes-do-inss/
O grupo é investigado por, pelo menos, 80 benefícios previdenciários suspeitos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/5-filmes-que-voce-deve-assistir-para-apreciar-as-trilhas-de-ennio-morricone/
Compositor, que morreu aos 91 anos, era grande nome da música no cinema
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rapper-baiano-hiran-lanca-segundo-disco-galinheiro/
Disco tem participações especiais de Tom Veloso, Majur e outros artistas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/serie-baiana-que-revela-salvador-sombria-ja-esta-disponivel-no-amazon-prime/
Produção tem roteiro e direção de Julia Ferreira, baiana que estudou cinema em Londres e Madri
Ler Mais