Muito violento e com história inusitada, Bacurau é thriller e western

entretenimento
29.08.2019, 06:00:00
Cena de Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Julio Dornelles (Fotos: Victor Jucá / Divulgação)

Muito violento e com história inusitada, Bacurau é thriller e western

Filme que venceu o Prêmio do Júri em Cannes é uma distopia passada no sertão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Até o final do ano, o leitor deste texto poderá  dizer que viu um filme melhor que Bacurau, afinal isso é uma questão de gosto. Mas dificilmente verá algo mais surpreendente ou impactante que a produção brasileira que brilhou no Festival de Cannes - onde ganhou o Prêmio do Júri -, com direção de Kleber Mendonça Filho (Aquarius) e Juliano Dornelles. Com sua história absolutamente inusitada e seu o primor técnico, Bacurau brilha do início ao fim.

Vamos à trama e nos perdoe se, por um deslize, revelarmos algum spoiler - mas pode ficar tranquilo, afinal um grande filme, como Bacurau, não depende de grandes reviravoltas na história, já que a dupla que o dirige tem méritos de sobra. Então, uma ou outra revelação da trama não irá diminuir em nada o prazer do leitor em assistir ao filme.

O alemão Udo Krier, que já foi dirigido por Tarantino

Passado no sertão do Brasil, Bacurau conta a história de um pequeno povoado fictício homônimo ao título do filme. A vidinha pacata e provinciana dos “bacurenses” é interrompida quando uma série de assassinatos bárbaros e inexplicáveis começa a acontecer por lá. E aí está a primeira surpresa: o longa, que começa como um drama social e político - denunciando a pobreza do sertão e os políticos populistas - ganha ares de western, thriller e até de ficção científica distópica.

Direção
A essa altura, você já vai estar se perguntando, surpreso: “Este Kleber Mendonça Filho é o mesmo diretor de Aquarius?”. Sim, creia, embora os filmes tenham ritmo e forma absolutamente distintos um do outro, Kleber e Juliano dominam incrivelmente bem a narrativa. Bacurau é tão bom quanto Aquarius, embora seja completamente diferente.

Há, claro, uma importante semelhança entre os dois: a presença de Sônia Braga, brilhante em ambos. Aqui, ela interpreta Domingas, a médica que faz as vezes de assistente social e psicóloga do povo. No elenco, também estão Karine Telles (a dona da casa em Que Horas Ela Volta), o alemão Udo Kier, que já trabalhou com cineastas como Wim Wenders e Tarantino, e a baiana Luciana Souza (Café com Canela).

A baiana Luciana Souza

O público já se acostumou a ver filmes distópicos (caracterizados por um ambiente hostil, em que as pessoas vivem sob condição de extrema opressão), porém, quase todos são ambientados no futuro, o que causa um certo distanciamento para o espectador: Blade Runner (1982); Brazil - o Filme (1985); THX 1138 (1971); O Exterminador do Futuro (1984) e por aí vai.

E vem daí o impacto de Bacurau: a história se passa num futuro bem próximo, como o espectador notará. No início, um letreiro anuncia, sem precisão: “Daqui a alguns anos”. “O espectador vai procurar detalhes que mostram ou sugerem aspectos futuristas e acho muito eficaz começar o filme com aquelas quatro palavras. A ideia do sertão realista sempre fez parte do filme. Sempre pensamos nele se passando daqui a uns dez anos”, diz Kleber. E esse realismo dá ao filme um toque de horror, já que toda a violência parece tão próxima da nossa realidade.

Uso de armas

É impossível não associar Bacurau a uma questão que tem sido muito discutida atualmente: a posse e o porte de armas de fogo. “A ideia do filme veio daí, desse apego, esse amor, essa tara que as pessoas têm por armas. O filme veio muito da cultura que a gente observa dos EUA e à qual o Brasil tem se alinhado a partir deste momento político”, explica Kleber.

Julio Dornelles, no entanto, diz que o filme não é um recado direto para os Estados Unidos, embora, em alguns momentos, a história possa insinuar isso: “Bacurau fala da reação à opressão e os EUA interferem muito e até invadem outros países. Mas isso está na história da humanidade, nas grandes navegações, nas colonizações, no Império Romano... Essas histórias se repetem, então o filme não é endereçado especificamente aos americanos, mas é uma crítica à condição humana de se colocar maior que o outro”.

UCI Orient Shopping da Bahia  Sala 1: 16h, 18h50, 21h40  UCI Orient Shopping Barra  Sala 6: 16h10, 19h, 22h  UCI Orient Shopping Paralela  Sala 1: 19h30 | Sala 2: 22h10 Cinemark  Sala 8: 21h20 (apenas quarta) | Sala 10: Sala 10 (leg): 12h (sábado e domingo), 13h10 (apenas quinta, sexta sábado e domingo), 14h50 (sábado e quarta), 15h (domingo), 17h50 (sábado e edomingo), 19h15 (quinta, sexta, sábado e domingo), 20h50 (sábado e domingo), 22h10 (quinta, sexta, segunda e terça)  Cinépolis Bela Vista  Sala 9: 12h20 (sábado e domingo), 15h20, 18h10, 21h (exceto quarta)  Cinépolis Salvador Norte  Sala 6: 13h15, 16h05, 19h, 22h  Orient Cinemas Serrinha  Sala 2: 14h30, 17h20, 20h  Orient Cinemas Boulevard  Sala 2: 18h20, 21h  Espaço Itaú Glauber Rocha  Sala 3: 13h, 15h30, 18h, 20h30  Saladearte Cine Daten Paseo  Sala 1: 15h20, 20h30

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas