Mulher denuncia marido da amiga por estupro da filha de 4 anos

brasil
30.06.2022, 15:46:00
(Reprodução)

Mulher denuncia marido da amiga por estupro da filha de 4 anos

Criança narrou abuso durante banho; acusado nega crime

Uma mãe denunciou o marido da amiga em Itanhaém, no litoral de São Paulo, afirmando que ele estuprou a filha dela, que tem 4 anos. Ela diz que o crime aconteceu durante 15 minutos em que ela e a amiga conversavam na sala da casa e a criança subiu com o homem para o andar superior. A informação é do G1.

Já em casa, enquanto tomava banho, a menina acabou denunciando a situação. "Mãe, ele lambeu meu peito", contou a garota.

A mãe foi até a delegacia e o caso foi registrado como estupro de vulnerável. O acusado, que tem 58 anos, nega o crime. 

A mãe disse que foi visitar a amiga e levou a filha. Enquanto estavam na sala, a garota brincava com os cachorros. O suspeito apareceu e foi para o andar de cima usar o computador. A menina teria ido com ele. 

“Demorei 15 minutos para perceber que ela não estava mais fazendo barulho e nem brincando no térreo", conta a mãe. Ela disse que chamou pela filha, que não respondeu.

Depois, o suspeito desceu de mãos dadas com a criança e falou que eles estavam "assistindo desenho". 

Descrição
A mãe disse que não desconfiou de nada. De noite, em casa, a mãe foi dar banho na menina e ela contou que o homem havia passado a mão na sua vagina e lambido "partes dela". Também contou que ele pediu que ela segurasse seu órgão genital.

A criança disse ainda que não queria mais voltar na casa da amiga da mãe. 

A mãe disse que chorou muito diante do relato e chegou a gravar um áudio falando do caso, enviado à mulher do suspeito. A mulher passou mal e precisou ser atendida na UPA, levada pelo marido.

A mãe da criança acionou a Polícia Militar e todos foram para a delegacia, onde um boletim foi registrado. Como não houve flagrante, ele não ficou preso. 

O acusado, ouvido, negou o crime. Ele confessou que estava assistindo pornografia no computador quando a criança entrou no quarto, pedindo para mexer no equipamento. Ele disse que então mudou para um desenho infantil. 

Um exame no Instituto Médico Legal (IML) não constatou lesões, mas isso pode ter acontecido por não ter ocorrido penetração. A Delegacia de Defesa da Mulher vai investigar o caso.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas