Nadal desiste em Paris e Djokovic volta a ser número 1 do Mundo

esportes
31.10.2018, 14:41:00
Atualizado: 31.10.2018, 14:41:47
Djokovic nem precisou entrar em quadra para voltar a ser o número 1 do Mundo (AFP / Anne-Christine POUJOULAT)

Nadal desiste em Paris e Djokovic volta a ser número 1 do Mundo

Espanhol sentiu dores no abdômen e médicos sugeriram que ele não jogasse

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Depois de uma vitória tranquila na estreia, o sérvio Novak Djokovic nem precisou entrar em quadra nesta quarta-feira (31) para confirmar a condição de novo número 1 do mundo. O tenista assegurou a retomada do topo porque o espanhol Rafael Nadal desistiu de disputar o Masters 1000 de Paris, na França.

Nadal anunciou a desistência nesta quarta, a poucas horas de sua estreia na competição francesa. Ele alegou dores abdominais nos treinos recentes para decidir pela ausência no último torneio antes do ATP Finals, que reúne os oito melhores da temporada e encerra o ano do circuito masculino. 

"Senti algo no abdômen nos últimos dias, principalmente quando sacava. Os médicos me recomendaram para não jogar", disse o espanhol. Nadal não joga uma partida oficial desde que precisou abandonar a semifinal do US Open, no início de setembro. Na ocasião, dores no joelho direito impediram que finalizasse a partida contra o argentino Juan Martín del Potro. 

Nadal não confirmou e nem negou a sua presença no Finals, que será disputado entre os dias 11 e 18 de novembro, em Londres. Assim, o espanhol já virou dúvida para o importante torneio, que pode definir quem terminará o ano na liderança do ranking. Nadal abandonou o Finals do ano passado por questões físicas, após disputar seu primeiro jogo. E, em 2016, nem chegou a entrar em quadra, também em razão de lesões. 

Com a desistência em Paris, o espanhol perde automaticamente o posto de líder do ranking, na atualização da lista da ATP na próxima segunda-feira. Isso porque, em solo francês, ele precisaria terminar a competição pelo menos uma fase à frente de Djokovic para assegurar a permanência no topo, o que não poderá mais acontecer.

O sérvio, que chegou a ser o 22º do mundo em junho deste ano, não ocupava a primeira posição desde o fim de outubro de 2016. Desde então, exigiu forte queda de rendimento e seguidos problemas físicos, que culminaram numa cirurgia em seu cotovelo direito no início deste ano. Reabilitado, começou a galgar colocações no ranking e sacramentou seu retorno com os títulos de Wimbledon e do US Open. 

Em Paris, Nadal será substituído na chave pelo tunisiano Malek Jaziri, que entra na competição como "lucky loser". Na estreia, ele enfrentará o espanhol Fernando Verdasco.

Federer avança sem suar 

Nadal não foi o único a abandonar o Masters de Paris nesta quarta. O canadense Milos Raonic também se retirou da competição por força de uma lesão no cotovelo direito. Assim, o suíço Roger Federer avançou diretamente às oitavas de final, sem precisar entrar em quadra em sua estreia.

Com o abandono de Nadal, o suíço se torna o segundo principal favorito ao título no torneio francês, disputado em quadra dura e coberta. No embalo do título conquistado na Basileia, no fim de semana, ele faz seu retorno à competição após ficar de fora nas últimas três edições. Seu primeiro adversário de fato em Paris sairá do confronto entre o italiano Fabio Fognini e o húngaro Marton Fucsovics.

Mais cedo, o alemão Alexander Zverev, quarto cabeça de chave, venceu em sua estreia na capital francesa. Ele superou o norte-americano Frances Tiafoe por 2 sets a 0, com duplo 6/4. Nas oitavas, Zverev vai encarar o vencedor do jogo entre o argentino Diego Schwartzman e o espanhol Feliciano López.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas