Naomi Osaka se torna a primeira asiática a ser número 1 no tênis

esportes
28.01.2019, 11:21:00
Atualizado: 28.01.2019, 11:22:09
Naomi Osaka é filha de pai norte-americano e mãe japonesa ( Saeed Khan/AFP)

Naomi Osaka se torna a primeira asiática a ser número 1 no tênis

Japonesa venceu o Aberto da Austrália

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A tenista japonesa Naomi Osaka fez história no sábado (26) ao conquistar o seu primeiro título do Aberto da Austrália, em Melbourne, logo na sequência de ter sido campeã de forma inédita no US Open, em Nova York, no ano passado. E fez história nesta segunda-feira (28) ao ser confirmada como a nova número 1 do mundo, sendo a primeira asiática a assumir esse posto no tênis, entre mulheres e homens.

A jovem tenista do Japão, de 21 anos, está agora com 7.030 pontos e ganhou três colocações para assumir a liderança da lista atualizada nesta segunda-feira pela WTA. Ela comandou as diversas mudanças que aconteceram em todo o top 10 do ranking.

Osaka é seguida pela checa Petra Kvitova, a quem derrotou em três sets na final do Aberto da Austrália. A tenista da República Checa melhorou quatro lugares e está com 6.290 pontos, pouco mais de 700 a mais que a romena Simona Halep, que era a líder do ranking e caiu para a terceira colocação.

Quem também perdeu terreno na lista da WTA foi a alemã Angelique Kerber, que caiu da segunda para a sexta posição. Além de Osaka e Kvitova, ela foi ultrapassada também pela norte-americana Sloane Stephens, que ganhou um lugar e agora é a quarta do mundo, e pela checa Karolina Pliskova, que ganhou cinco postos e é a quinta colocada.

Até fechar o top 10, destaca-se a queda da dinamarquesa Caroline Wozniacki. Sem defender o título do Aberto da Austrália conquistado em 2018 - caiu na terceira rodada -, despencou da terceira para a nona posição. Na frente dela estão a ucraniana Elina Svitolina, que foi a única que se manteve intacta no sétimo lugar, e a holandesa Kiki Bertens, que subiu uma posição e é a oitava. A bielo-russa Aryna Sabalenka melhorou um posto e está em 10º.

Logo na sequência do top 10 está uma tenista muito acostumada a ser a melhor do mundo. A norte-americana Serena Williams segue recuperando a forma física e técnica e subiu da 16ª para a 11ª colocação. Surpresa nas semifinais - perdeu para Kvitova -, a norte-americana Danielle Collins, de 25 anos, subiu 12 lugares e agora está na 23ª posição.

Ainda longe do top 100, a brasileira Beatriz Haddad Maia teve uma boa subida depois de passar por três partidas do qualifying e chegar à segunda rodada do Aberto da Austrália - foi derrotada por Angelique Kerber. Bia ganhou 20 posições e está na 175ª colocação do ranking da WTA.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas