Nelson Cadena: o Alabama como fonte de pesquisa social

nelson cadena
26.02.2016, 03:25:00

Nelson Cadena: o Alabama como fonte de pesquisa social

A Fundação Pedro Calmon, em parceria com o IGHB, dentro do projeto Biblioteca Virtual Consuelo Pondé, disponibilizou para pesquisa a coleção de O Alabama, um emblemático jornal redigido por afrodescendentes que circulou na Bahia entre 1863 e 1883 e não até 1890 como dito na apresentação da coleção digitalizada. De fato, houve outros Alabamas, um de 1887 e outro de 1890, sem nenhuma identidade com o original, esse último monarquista assumido em tempos de República.

O Alabama surge em 1863 por iniciativa de Aristides Ricardo de Santana, José Marques de Souza e Francisco Alves da Silva Igrapiuna, esse também redator de O Echo do Norte, periódico alinhado com o partido liberal que estreou em 7 de setembro de 1864. Os três constituíram tipografia própria, apenas registrada em 2/6/1866, mas de fato funcionando desde 16/2/1864. Antes disso, o periódico foi impresso na oficina de Domingos Guedes Cabral, redator de O Interesse Público e que recém tinha saído da cadeia, após amargar quatro meses de prisão por suposto crime de imprensa.

Estreou o jornal em pequeno formato, o seu estilo semelhante ao de A Marmota e à Nova Marmota, desses herdou a seção Lá Vai Verso, onde o redator fazia crítica de costumes em versos de quatro estrofes e fustigava desafetos e inimigos, e era também um dos canais de denúncia do periódico. Incomodou o status quo desde o início, tanto que, no mês seguinte, surgiu O Mohican (moicano) com o único objetivo de “dar caça” a O Alabama e que não prosperou.

O Alabama era a representação de um navio fundeado na Baia de Todos os Santos, Salvador, chamada de cidade de Latranópolis, numa alusão aos larápios que prometia combater no seu editorial de apresentação. Em torno dessa identidade criou personagens: o capitão, o guarda-marinha Guilherme, um imediato e até um capelão. O nome era uma provável alusão ao Alabama, navio pirata confederado, assim denominado pela mídia, que botou a pique, justamente nesse ano de estreia do jornal, vários barcos de bandeira americana no litoral do Norte-Nordeste, inclusive na Bahia. Efeitos da Guerra de Secessão nos mares da América do Sul.

A importância de O Alabama está no fato de ser uma das melhores fontes para identificar os terreiros de candomblé da época, cujas atividades o periódico descrevia em tom denuncista, com minúcia de detalhes; alguns trabalhos já foram escritos a respeito, desde os estudos pioneiros do brasilianista Dale Graden em 1997. Para exemplificar, o jornal menciona em sua edição de 18/2/1864 o candomblé do Engenho Velho, no Terreiro da Casa Branca de Mãe Maria Julia. Segundo o periódico, uma mulher de nome Teófila teria sido surrada no local por não cumprir suas obrigações de santo. Não é possível precisar se o jornal se refere a Maria Julia Figueiredo (Mãe Pequena) ou a Maria Julia da Conceição, sabe-se que ambas disputaram o comando do Terreiro da Casa Branca e essa última abriu dissidência fundando o Terreiro do Gantois.

Mas O Alabama é sobretudo uma fonte valiosa para quem quer aprofundar estudos numa área de pesquisa pouco explorada: a luta por espaço e ascensão social, na Bahia, entre os negros e mulatos baianos e  negros africanos. Luta essa patente na formação de irmandades que se excluíam mutuamente, atividades laborais com reservas de mercado e outros impasses de ordem sociológica. O jornal representava o primeiro grupo e daí a sua postura editorial aparentemente contraditória, pela origem afrodescendente de seus redatores, mas afinada com a sociedade burguesa a que os mesmos pertenciam e o entendimento dela dos valores da “civilização”, na construção de uma sociedade espelhada num modelo ocidental. Defendia as mudanças aos trancos, mas sem barrancos.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/o-foco-e-total-aqui-neymar-se-apresenta-a-selecao-brasileira/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/conheca-um-dos-destinos-mais-procurados-pelos-soteropolitanos/
Potencial do povoado Baixio atraiu o empreendimento Ponta de Inhambupe
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pm-morre-apos-ser-baleado-dentro-de-hotel-no-dois-de-julho/
Vídeo mostra hora do disparo, que atingiu o soldado no rosto
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/homem-agride-e-ameaca-de-morte-funcionarios-de-restaurante-em-salvador/
Caso ocorreu na noite desta quinta-feira (23) em empreendimento na Cardeal da Silva
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/esse-cara-vai-me-matar-luisa-sonza-fala-sobre-regressao-de-whindersson-apos-briga/
Youtuber se envolveu em confusão com influencer Carlinhos Maia; entenda
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/plateia-abandona-sessao-por-cenas-de-sexo-explicito-de-filme-em-cannes/
Cena de sexo bastante longa em banheiro entre personagens foi criticada
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/classico-caverna-do-dragao-e-revivido-em-live-action-para-comercial/
A recepção da propaganda foi tão boa que internautas logo pediram um filme
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/juntos-e-shallow-now-5-versoes-do-hit-menos-piores-que-a-de-paula-fernandes/
Tem nos ritmos forró, country e, claro, no estilo pagodão da La Fúria; ouça
Ler Mais