Neymar cai pouco e decepciona quem esperava por bebida grátis

esportes
28.06.2018, 11:11:32
Atualizado: 28.06.2018, 12:42:53
Torcedores pedem quedas de Neymar em campo para beberem de graça (Mateus Dantas/O POVO)

Neymar cai pouco e decepciona quem esperava por bebida grátis

Camisa 10 da Seleção só foi ao chão quatro vezes contra a Sérvia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Para quem esperava ficar embriagado à custa das quedas de Neymar, a vitória do Brasil por 2x0 sobre a Sérvia foi decepcionante. Aproveitando as críticas contra o atacante nos dois primeiros jogos da Copa do Mundo, contra Suíça e Costa Rica, em que ele caiu cerca de 20 vezes, bares prometeram distribuir doses de bebidas alcoólicas a cada queda do jogador. Contudo, diante dos sérvios, o atleta sofreu apenas quatro quedas. E nem o árbitro assistente de vídeo (VAR) ajudou os sedentos torcedores. 

Neste jogo, o brasileiro mostrou estabilidade em campo. Apesar de não ter balançado as redes adversárias, cresceu de produção e deu o passe para o gol de Thiago Silva. “Não estou reconhecendo o Neymar”, lamentava uma torcedora no fim do jogo em um bar na cidade de Fortaleza, onde shots de vodka foram distribuídos a cada tombo do brasileiro. 

“Estamos transmitindo todos os jogos da Seleção, mas queríamos atrair mais público, então pensamos em fazer essa promoção, seguindo o que bares do Sul e Sudeste estão fazendo. Agora, só depende dele cair, ele tem de cair”, brincou Pedro Neto, proprietário do bar. 

Foi a primeira vez que o designer de interiores Rennê Santos, 25, assistiu jogos da Copa no estabelecimento. Apesar de não acompanhar futebol, ele vestiu roupas com as cores de bandeira do Brasil e foi torcer. “Achei essa ideia da bebida (grátis) muito criativa. Confesso que estou torcendo mais pelo Neymar cair que pelo gol, mas quero a vitória também”, disse. 

O espaço foi tomado por torcedores com olhares divididos entre o telão e o árbitro improvisado pelo bar para liberar a rodada de bebida. Contradizendo a tradição do futebol, neste caso, o juiz era ovacionado a cada aparição. Funcionário da administração, John Gomes recebeu um apito e dois cartões: um amarelo e um verde, indicando aos garçons se o tombo valeu. “Aqui não tem VAR, simulando ou não, libero bebida para todo mundo”, disse. 

Diante da escassez de quedas, a torcida passou a “simular”, comemorando até quando outros atletas caíam. “A regra é clara, não foi ele”, tentava argumentar John, fazendo gestos sugerindo ter revisto o lance por meio do VAR. Após o segundo gol, com a classificação garantida, a torcida engrossou o coro pedindo que o atleta se jogasse no chão, mas não adiantou. Ao longo de todo o segundo tempo, apenas uma falta foi marcada. “Pensei que ia cansar de liberar bebida, mas ele caiu pouco”, lamentou John, o árbitro, após o jogo. 

Essa reportagem é do Jornal O Povo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas