No ar em Cheias de Charme, Fábio Lago fala sobre sucesso de Naldo

entretenimento
15.07.2012, 13:38:00
Atualizado: 15.07.2012, 13:44:25

No ar em Cheias de Charme, Fábio Lago fala sobre sucesso de Naldo

Personagem, nascido no Piauí, vem ganhando ainda mais destaque

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Camila Botto
camila.botto@redebahia.com.br


O ator baiano Fábio Lago, 42 anos, tem agradado na pele do faxineiro Naldo de Cheias de Charme, novela das sete da Globo/TV Bahia.

O personagem, nascido no Piauí, vem ganhando ainda mais destaque ao arrancar risos do público em cenas para lá de cômicas ao lado de Chayene (Cláudia Abreu).

“Chayene é um marco da teledramaturgia brasileira, um personagem incrível. Contracenar com Claudinha é um presente. Pense numa atriz generosa! Me coloco sempre em reverência à Claudia abreu como o Naldo reverencia Chayene”, afirma, em entrevista ao CORREIO.

“O Naldo talvez seja o personagem mais parecido comigo. A relação amorosa com a mãe, dona Epifânia, criado pela deliciosa Ilva Niño, é muito parecida com a minha relação com minha mãe. Represento um nordestino como milhares de outros que saem de sua terra natal pra alçar outros voos”.

Sucesso

Quando o assunto é a popularidade da trama escrita pelos iniciantes Filipe Miguez e Izabel de Oliveira, Fábio é só elogios: “Essa novela acerta em vários pontos. O texto é muito bem escrito, ágil e dinâmico. A novela é atual, popular, sofisticada, colorida, aborda um tema em voga que é a relação patroa/empregada doméstica e o mundo da música popular. Um acerto no alvo”.

Em tempo: Cheias de Charme bateu um novo recorde de audiência. No capítulo de quinta-feira, a novela registrou 37 pontos de média no Ibope - cada ponto corresponde a 60 mil domícilios em São Paulo.

É certo que a novela ainda está longe do fim, mas Fábio já sabe como quer que Naldo termine. “Nos braços de Chayene, com cinco filhos e morando em Sobradinho, no Piauí”, conta o ator, que já tem planos para 2013. “Estou produzindo e pesquisando para a minha próxima peça que pretendo estrear no ano que vem. No segundo semestre estreiam os filmes  Totalmente Inocentes, de Rodrigo Bitencourt; e Entre Vales e Montanhas, de Felipe Barcinsky”.  

Salvador
Quando questionado sobre a relação com a capital baiana, onde começou a carreira no teatro, em 1986, Fábio é pura saudade. “Sinto muita falta de Salvador. Volto sempre à cidade. Já fui mais feliz nestas voltas porque acho que a cidade precisa avançar   principalmente na educação e na cultura”.

Nascido em Ilhéus, Fábio começou a carreira no teatro. Sua peça de maior destaque foi Os Cafajestes, em 1994. Na montagem, com texto de Aninha Franco e dirigida por Fernando Guerreiro, ele era Estevão, um troglodita que exige que sua mulher o chama de senhor.

A primeira aparição nos cinemas foi no filme Três Histórias da Bahia, de 1997. Dez anos depois, teve destaque como o traficante Claudio Mendes, conhecido como baiano, no filme Tropa de Elite, de José Padilha.

A estreia na telinha aconteceu em 1999 no extinto programa Você Decide exibido na Globo/TV Bahia. Antes de Naldo, seu papel mais popular foi Fabiano, da novela Caras & Bocas (2009), escrita por Walcyr Carrasco.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas