"O aniversariante é Jesus Cristo", diz Cortejo do Aniversariante

salvador
19.12.2017, 20:09:31
Atualizado: 19.12.2017, 21:38:18
Os grupos fantasiados desfilaram tocando percussão no Pelourinho (Fotos: Arisson Marinho)

"O aniversariante é Jesus Cristo", diz Cortejo do Aniversariante

Grupo percorreu o Pelourinho na tarde desta terça-feira (19)

Eram 16h quando os sons de tambores, pandeiros e sinos tomaram conta do Pelourinho. E nem parecia o Olodum. Os instrumentos e cânticos que enchiam as ruas do Centro Histórico, na tarde de hoje, anunciavam o início do "Cortejo do Aniversariante", um protesto em forma de desfile que tem o objetivo de trazer à lembrança o real significado do Natal: o nascimento de Jesus Cristo.

Conduzido pela etinomusicóloga Emília Biancardi, o único cântico entoado pela Orquestra Museofônica, juntamente com o Grupo Eterna Juventude e o Quarteto de Sopro em todo o percurso dizia: "o aniversariante é Jesus Cristo, não esqueçam disso". Tocando alfaias, instrumento de percussão, o percusionista Ariosvaldo Araújo, 51 anos, faz parte da orquestra há 5 anos e, mesmo sendo candomblecista, apoia a mensagem. Segundo ele, "sem respeito não se chega em lugar nenhum".

Ao passo que o grupo externava seu manifesto, pessoas apareciam nas sacadas dos prédios e outras paravam para fotografar o cortejo. Entre os que passeavam pela região, estava a dona de casa Maria Margarete, 45 anos, que foi surpreendida ao ver o que estava acontecendo. A católica fez fotos do desfile e aprovou a iniciativa. "Isso demonstra que Cristo está vivo na lembrança das pessoas que acreditam nele", diz. 

Dona Emília, sempre à frente do desfile, conta que a inspiração para realizá-lo está em suas vivências. "Desde pequena eu via presépios sendo montados no Natal, mas hoje em dia o foco é outro, só querem saber de árvore de Natal, já tem até mamãe noel. Precisamos lembrar às pessoas que a festa é em homenagem ao menino Jesus", diz.

O calor da tarde era aliviado pela sombra dos prédios do Pelourinho, onde a motorista de Uber Rita Costa, 52, se abrigava. Em frente à Fundação Casa de Jorge Amado, ela observava a condução de dona Emília e comenta que "é interessante e válido o significado deste desfile, ainda mais para nos lembrar todos os dias da importância de Jesus na nossa vida. Até porque precisamos ser caridosos o ano inteiro, não apenas agora", afirmou.

A dona de casa Ruth Batista, 60, participa do cortejo. Com um pandeiro enfeitado de fitas do Senhor do Bonfim, ela, que faz parte do Grupo Eterna Juventude, faz do desfile uma manifestação de fé. "Sou uma mulher de fé e isso me faz forte", afirma.

Ao fim, em frente ao Centro Cultural Solar Ferrão, com muita simpatia, dona Emília se despediu e encerrou a procissão. Com toda fé, mantinha em seus lábios trechos da canção: "Oh meu Senhor Jesus Cristo, essa festa é toda sua, com amor e com respeito seu cortejo está na rua".

(Fotos de Arisson Marinho)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas