O dia em que Marrom “conheceu e abraçou” Freddie Mercury e Charles Chaplin

entretenimento
09.01.2021, 05:59:00

O dia em que Marrom “conheceu e abraçou” Freddie Mercury e Charles Chaplin

Dois grandes artistas foram homenageados em cidades da Suíça

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Ao ler esse título você, leitor, deve estar imaginando que eu entrevistei o grande cineasta, ator, diretor, compositor e produtor Charles Chaplin que ficou imortalizado com seu personagem Carlitos, o genial Vagabundo. Ou o maravilhoso vocalista da banda inglesa Queen. Como jornalista eu teria adorado. Mas isso nunca aconteceu. Com Freddie Mercury até teria chance se estivesse na coletiva, no Rio de Janeiro, quando ele veio se apresentar no Rock in Rio.

Já com Sir Charles Spencer Chaplin, que nasceu na Inglaterra, 16 de abril de 1889 e morreu em Corsier-sur-Vevey (Suíça) em 25 de dezembro de 1977) não seria possível mesmo. Até porque,quando ele morreu eu nem sonhava em fazer jornalismo. Mas é lógico que, interessado por artes de um modo geral, eu sabia de quem se tratava. Ele ficou bastante conhecido pelos seus filmes O Imigrante, O Garoto, Em Busca do Ouro, O Circo, Luzes da Cidade, Tempos Modernos, O Grande Ditador, Luzes da Ribalta, Um Rei em Nova Iorque e A Condessa de Hong Kong.

Chaplin também brilhou como compositor tendo escrito a bela canção Smile originalmente em 1936, para seu filme, Tempos Modernos. Em 1954, John Turner e Geoffrey Parsons adicionaram letra à canção. A música tornou-se um clássico e foi gravada por nomes como Nat King Cole, Michael Jackson, Eric Clapton além de brasileiros como Djavan e Fábio Junior.  A sua versão brasileira foi feita por Carlos Alberto Ferreira Braga ou João de Barro (Braguinha) em 1955. A música foi gravada originalmente por Jorge Goulart.

Freddie Mercury eu tive o prazer de assistir o show que o Queen apresentou na primeira edição do Rock in Rio em 1985 e foi simplesmente arrebatador. Mas eu fui para os 10 dias do Rock in Rio não como jornalista, mas como um folião que queria curtir. Inclusive como já falei anteriormente, organizei um ônibus que saiu de Salvador para a cidade maravilhosa com 30 malucos. Era a chamada Frente Liberal. Ai já é outra história. Aliás o filme Bohemian Rhapsody relata a trajetória da banda e os momentos cruciais de Fred Mercury desde o momento em que descobriu estar doente.

Feito essa abertura vamos aos fatos de como eu “conheci” essas duas personalidades coincidentemente no mesmo país, Suíça, cobrindo dois eventos organizados pela baiana Jô Queiroz que, morando na Suíça, promoveu as edições 2013 e 2014  da Jam Session de Montreux no badalado balneário suíço. Na ocasião se apresentaram Armandinho Macedo, Zelito Miranda, Gilberto Gil, Alcione, João Donato. Jô, ao lado de Silvana Magda em New York Robertinho Chaves em Paris e Solange Barreto em Nice na França levam a cultura baiana ao mundo.

Com João Neto em Vevey (Arquivo Pessoal)


No primeiro ano passeando pela cidade um dia antes do festival começar eis que me deparo com uma estatua enorme de Freddie Mercury. Claro que procurei me informar o motivo de tal monumento. Soube que em 1996, foi erguida uma estátua de bronze que o representa, obra da artista checa Irena Sedlecka e  inaugurada na Place du marché, à beira do lago Léman, na presença de numerosas personalidades, entre as quais Brian May, Roger Taylor, Monserrat Caballé, Maurice Béjart e Claude Nobs (criador e diretor do festival de Montreux).Antes de enfrentar as complicações mais graves da Aids e passar os últimos dias de vida na mansão Garden Lodge, na Inglaterra, Mercury morou em por Montreux, na Suíça, e comprou um apartamento no edifício Les Tourelles em 1991 quando veio a falecer.

 

No ano seguinte, de volta a Montreux, acompanhado por João Neto filho de Ângela Nou e empresário de Armandinho Macêdo, fomos à cidade de Vevey próximo a Montreux conhecer a fábrica da Nestlé, o Museu do Alimento e claro conhecer o belo condado. Foi quando soube que Charles Chaplin tinha vivido seus últimos dias na cidade onde morreu e foi homenageado com uma estátua. Imediatamente fomos lá nos apresentar ao genial artista com direito a foto e tudo. É um dos pontos turísticos mais visitados. Portanto quando puder ir a Suiça na chamada parte francesa não deixe de visitar Montreux e Vevey.

Foto: Reprodução


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas