‘O que seria de nós sem a arte’, questiona Ivanna Soutto

entretenimento
23.11.2020, 06:45:00
Atualizado: 23.11.2020, 12:47:36

‘O que seria de nós sem a arte’, questiona Ivanna Soutto

Produtora envolvida na live de Iza volta a trabalhar com Carlinhos Brown após 18 anos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Só na pandemia, a produtora cultural Ivanna Soutto, 54 anos, produziu e dirigiu diversas campanhas publicitárias de Carlinhos Brown, além de uma live do artista com transmissão internacional que virou um disco. “Minha mãe, você não para quieta!”, ri Ivanna, ao lembrar da fala da filha que resume sua atuação profissional. 

“Eu sou uma ferramenta disponível para o fazer”, define a produtora viciada em trabalho. Uma das responsáveis por colocar na rua o trio do Major Lazer na rua, no último Carnaval, e viabilizar a live de Iza no Museu do Ritmo, no último sábado (21), Ivanna volta a trabalhar com Brown após 18 anos de hiato.

A produtora esteve ao lado do cantor no começo de sua carreira, é sócio-fundadora da Associação Pracatum, ajudou a construir projetos como a Escola Pracatum e o Tá Rebocado. “Ivanna Soutto teve papel de extrema importância na consolidação do início de minha carreira e na estruturação do próprio Candeal”, elogia Brown. Um destes projetos foi o disco Alfagamabetizado, que completa 25 anos em 2021. 

Em entrevista ao CORREIO, a produtora comenta a saída conturbada da equipe há 18 anos, fala sobre o último álbum de Brown, Umbalista, lançado em agosto; revela novidades sobre o cantor e fala sobre o atual cenário da produção cultural. “A pandemia veio mostrar o lugar do conforto espiritual: o que seria de nós sem a arte”, reflete.

(Foto: Divulgação)

Como a pandemia alterou a produção da cultura? 
A área cultural do Brasil já vinha vivendo a ‘Era Pandêmica’ antes da pandemia se instaurar, por conta do perfil de governo que impactou diretamente no fluxo do setor, tornando as pessoas da área como mal vistas, desrespeitando profissionais... Quando chegou a pandemia, em si, a gente estava tão nocauteado que já estava na resiliência. Ela veio mostrar o lugar do conforto espiritual: o que seria de nós sem a arte. Espero que nós brasileiros não possamos deixar que nenhuma instância política interfira na nossa arte. 

E o papel do produtor? 
Está sendo difícil para a cadeia criativa como um todo, é uma área muito sensível. A gente descobriu novas formas de fazer. Fiz diversas campanhas publicitárias com Brown: produzi, dirigi, fiz direção de arte, porque não dava para a agência vir de São Paulo. A gente teve que trabalhar novas habilidades e aprendeu que pode dar conta, porque tem um acúmulo de experiência. 

Isso pode ser prejudicial, já que em condições normais mais gente seria contratada? 
Vai todo mundo aprender a seguir assim, com menos tudo. Menos é mais. Todo mundo teve que aprender a fazer reunião online, passou a ter disciplina dentro de casa. Foram mudanças severas, é difícil voltar para trás. Se você tem menos pessoas, você pode pagar melhor as pessoas.

A data do Carnaval está chegando, mas a prefeitura já anunciou o adiamento caso não haja vacina. O que acha que vai acontecer? 
Espero que a gente respeite todos os protocolos de saúde. Não adianta pressionar a prefeitura, porque é a primeira vez que vamos nos defrontar com a ausência do Carnaval. A gente tem que ter maturidade. Como vamos ser escritos na história daqui a 30 anos? Um bando de maluco que foi pra rua contaminar todo mundo?

E como será o retorno?
O fazer Carnaval vai mudar, sem sombra de dúvidas. A gente precisa fazer o dever de casa, porque éramos muito pouco cuidadosos. É a hora da sustentabilidade. Tantas toneladas de material que não usamos... Por que não perguntar quem precisa desse material para uma Micareta? Quem vai poder pegar para fazer máscaras para as escolas? Não podemos acabar o Carnaval e jogar tudo na praia. O planeta está dizendo ‘chega de vocês’. 

Qual é o papel da mulher na produção cultural? 
O papel feminino é inerente ao fazer artístico. Só que muitas vezes não é publicizado e as pessoas não sabem quem fez, quem está por trás da cena. A mulher tem um papel: a gente organiza e tem mais paciência para a gestão. O homem é mais prático, não tem paciência para o miudinho. 

Me conte mais sobre sua volta para o time de Brown. 
Foi um convite insistente (risos). Foi a própria pandemia que fez isso. Faz a gente pensar em como pode ainda ser útil. A gente tem uma relação muito preservada, são 18 anos de um gap. Respeito muito o trabalho das pessoas que me sucederam e espero que possa colaborar. Meu principal objetivo foi colocar o que me incomodava na trajetória de Carlinhos: ele estava muito preso ao The Voice. Devia ser isso e mais um tanto de coisa. Então em Umbalista é ele cantando músicas que muita gente não conhecia. O projeto virou álbum digital, quatro clipes e vai virar show com uma turnê 2021-2022, no Brasil e no exterior.

O que te fez sair há 18 anos? 
Não foi uma decisão minha, mas não quero falar sobre isso. Posso falar de agora: foi um convite dele e nossa relação é espiritual, pertence ao sagrado.

Quais características definem seu trabalho?
Tem uma coisa que Gilberto Gil me disse muito nova que vou levar comigo: que vou ser igual a ele, trabalhar até ficar velhinha. Eu sou uma ferramenta disponível para o fazer. Graças a Deus tenho a sorte de trabalhar com o que gosto. Minha filha fala “minha mãe, você não fica quieta” (risos). Tenho muita sorte e muitos amigos. Temos um potencial gigante enquanto povo criativo.

Quais lições vamos tirar com tudo isso que estamos vivendo hoje?
Um é que nós temos que ser mais solidários. Sair do ativismo digital e fazer diretamente uma ação em benefício de alguém. Nós viemos aqui pra isso, para viver na solidariedade. Se todo mundo fizer todo dia uma ação... Em um ano você não usou aquelas roupas todas, porque não doa para quem precisa? Um ato solidário, seja ele qual for. A pandemia mostrou que não pode ficar bom só para alguns. A gente tem que se preocupar com o outro.


Quem é 
Ivanna Souto Com 25 anos de atuação na área de produção, foi a primeira a coordenar o trio Expresso 2222, de Gilberto Gil, e integrou a equipe de Flora Gil,no Camarote 2222. Ivanna esteve na equipe de Carlinhos Brown no início da carreira dele e agora está de volta à equipe do artista

Ivanna esteve presente no início da carreira de Brown
Ivanna esteve presente no início da carreira de Brown

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas