Onde Está Meu Coração, do Globoplay, fala sobre uso drogas na classe alta

entretenimento
03.05.2021, 15:38:00
Letícia Colin é a protagonista Amanda (Globo/Divulgação)

Onde Está Meu Coração, do Globoplay, fala sobre uso drogas na classe alta

Série terá primeiro episódio exibido no Tela Quente nesta segunda (3)

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Globo/TV Bahia exibe nesta segunda (3), na sessão Tela Quente, o primeiro episódio da série Onde Está Meu Coração. A produção é original do Globoplay e chega amanhã na íntegra exclusivamente na plataforma de streaming.

Na história, Letícia Colin vive Amanda, uma jovem criada numa família de classe alta. Ela é filha da executiva Sofia (Mariana Lima) e do médico David (Fábio Assunção). Como o pai, Amanda é uma médica muito bem-sucedida. Mas ela perde controle da sua carreira e da sua vida pessoal quando descobre as drogas e se torna dependente. Sua situação acaba demandando atenção dos pais, do marido - o arquiteto Miguel (Daniel Oliveira) - e da irmã, Julia (Manu Morelli). Assim a fragilidade familiar, até então desconhecida, é revelada e todos têm que enfrentar seus dramas.

George Moura e Sergio Goldenberg dividem a autoria, como fizeram em O Canto da Sereia, O Rebu e Onde Nascem os Fortes. A diretora artística é Luísa Lima.

Fábio Assunção, que já passou por tratamento de dependência química, disse, em entrevista coletiva na internet, que a sociedade trata o tema das drogas de forma hipócrita. “A gente associa drogas a pessoas vulneráveis ou que estão abandonadas em espaço público. Parece que estamos falando de algo muito distante, mas é muito mais comum que a gente finge ser”.

George Moura explica por que a série aborda a dependência em uma família rica: “É importante tratarmos desse assunto em uma classe social em que as necessidades básicas de um ser humano não são um problema. Não é porque a pessoa não tem uma condição financeira favorável, não tem oportunidades, que ela recorre à bebida ou à droga. A classe média alta, em geral, tem estabilidade financeira, mas, mesmo assim, busca a droga. Há um buraco, um abismo existencial de uma ordem que não é material”. 

Primeiro episódio nesta segunda (3) na Globo/TV Bahia, no Tela Quente. Série disponível na íntegra a partir de amanhã no Globoplay  
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas