Os babados do festão de casamento de Claudia Leitte e Márcio Pedreira no Pelô

entretenimento
17.04.2021, 05:53:00
(Foto: Eduardo Freire/ Agência Fred Pontes/ Arquivo CORREIO)

Os babados do festão de casamento de Claudia Leitte e Márcio Pedreira no Pelô

Osmar Marrom Martins traz a memória da cerimônia no Baú do Marrom

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Seis anos depois do badalado casamento de Xanddy e Carla Perez, no Complexo de Sauípe, em Mata de São João, outro enlace matrimonial, dessa vez em Salvador, causou outro rebuliço no mundo axé. Foi o de Claudia Leitte - então estrela que estava iniciando carreira-solo depois de fazer sucesso na Banda Babado Novo - com o empresário Márcio Pedreira.

Marcado para o dia 7 de março de 2007, o evento aconteceu no Hotel Convento do Carmo, no Centro Histórico. Claro que foi um tititi na cidade. Muita gente querendo ser “convidada” para a festa. Afinal, além da noiva ser uma estrela, vazou a notícia de que o bufett e a recepção, de um modo geral, seriam suntuosos.

Foto: Eduardo Freire/ Agência Fred Pontes/ Arquivo CORREIO

E mais uma vez quem estava à frente da organização era Licia Fabio e sua sócia Nil Pereira, que já tinham feito a cerimônia do casamento de Xanddy e Carla e fariam depois as de Scheila Carvalho, dos filhos de Daniela Mercury e da própria Daniela com Malu - aí já é assunto para outro Baú do Marrom. 

Chegado o grande dia, aquele fuzuê na porta do hotel, a imprensa mantida a uma certa distância, enquanto os convidados iam chegando. Daniela Mercury foi bastante assediada. Amanda, ex-Timbalada, também. Ambas chegaram no salto e para andar naquela calçada de pedras do Centro Histórico não foi fácil.

Durval Lelys, então na Banda Asa de Águia, também foi dar seu abraço na amiga. Todos fizeram questão de ressaltar o carinho pela noiva, a amizade, e desejaram que os pombinhos fossem felizes.

Ivete Sangalo também foi convidada. Como estava viajando, não compareceu. Na época tinha aquela história de que as duas não se relacionavam bem. O que o tempo dissipou e hoje elas são muito amigas e fazem trabalhos juntas.

Casamento que é casamento tem que ter atraso. E o de Claudinha e Márcio não fugiu à regra. Mais de uma hora depois do horário marcado, a cerimônia teve início no 1º Claustro do Convento. Ao todo foram 16 casais de padrinhos, incluindo o seu então empresário Cal Adam. Ele também tinha sido padrinho de Carla Perez, que fez parte do É O Tchan, outro grupo contratado da produtora Bicho da Cara Preta.

Me lembro bem que, quando Claudia chegou ao som da tradicional marcha nupcial tocada por músicos da Orquestra Sinfônica da Universidade Federal da Bahia, caiu uma chuva daquelas.

Foto: Eduardo Freire/ Agência Fred Pontes/ Arquivo CORREIO

Não foi fácil para a imprensa cobrir porque os fotógrafos e jornalistas permaneceram fora do local onde acontecia a cerimônia, só sendo autorizados depois a entrarem em ação. Claudia estava usando um vestido assinado pelo badalado estilista Carlos Tufvesson.

Quando a cerimônia foi encerrada - com as presenças dos pais e irmãos dos noivos -, Claudia e Márcio enfim conversaram com os jornalistas, falaram da emoção do casamento, do amor que um sentiam pelo outro e aí foram se esbaldar na festa comandada pelo DJ Zé Pedro.

Para ficar à vontade, tirou o vestido de noiva, colocou outro mais simples e caiu na gandaia. A lua de mel foi a dos sonhos de qualquer casal romântico: Paris.

Acabado o trabalho, os jornalistas puderam enfim usufruir do menu muito elogiado, que teve a assinatura do então chefe da cozinha do hotel, João Paulo Vieira. E caíram de boca nos salgadinhos, nos frios, nos pratos quentes nos doces portugueses. Enfim, tudo o que tinham direito. Com bebida a rodo é logico: da cerveja ao whisky, passando pelo champagne.

Em 2020, quando comemorou 13 anos de casada, Claudia escreveu um texto para mostrar o quanto está realizada:

“Faz 13 anos que sou casada com meu melhor amigo, pai dos meus filhos, parceiro de todas horas, meu amor. Honestamente, acredito nesse tipo de encontro marcado por Deus. Peguei o trem na hora certa, estávamos no mesmo vagão, seguindo rumo à mesma direção, ainda que nem tivéssemos consciência disto. Estar com você, meu marido, é estar no centro da vontade de Deus, pois é bom, perfeito e agradável, mesmo que tenhamos aflições, mesmo quando nada vai muito bem!".

E esse não foi o único casamento dos dois. Eles já renovaram os votos em cima do trio elétrico, em 2011, e em uma cerimônia nos EUA, em 2017. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas