Os bastidores do tombo que Ivete Sangalo tomou no Rock in Rio de Las Vegas

entretenimento
01.05.2021, 05:53:00
Atualizado: 01.05.2021, 10:36:55

Os bastidores do tombo que Ivete Sangalo tomou no Rock in Rio de Las Vegas

Baú do Marrom traz memórias de quando cantora se apresentou na única edição na cidade dos cassinos, em 2015

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Acompanhar e fazer a cobertura de shows da cantora Ivete Sangalo fora do Brasil foi, durante anos seguidos, uma rotina. De Montreux na Suíça, passando por Lisboa (Portugal), Madrid (Espanha), New York (EUA), Milão na Itália e Londres na Inglaterra, sempre foram uma festa. Mas, normalmente, eram viagens que a gente costuma chamar de “bate e volta”, coisa rápida.

Porém, em maio de 2015, quando ela foi se apresentar na primeira e única edição do Rock in Rio Las Vegas, a cidade dos cassinos no estado de Nevada (EUA), a coisa foi diferente. Como diria Roberto Carlos, com “muitas emoções”.

A começar que, uma semana antes da apresentação de Ivete, eu estava em Fort Lauderdale, na Flórida, cobrindo o Brazilian Press Awards (realizado pela Focus Brasil e Globo Internacional), no qual Daniela Mercury e o ator Tony Ramos foram homenageados (até já fiz um Baú do Marrom sobre esse evento).

Eu deveria ficar mais uns dois dias na cidade, localizada no Leste dos EUA, até embarcar para Las Vegas, que fica no Oeste, quando seria realizado o Rock in Rio. Foi quando meu amigo, o organizador da festa, o jornalista baiano Carlos Borges, resolveu me convidar para a gente antecipar a viagem. Ele queria que conhecesse um pouco mais a cidade que ele costuma visitar de vez em quando, para assistir os grandes shows.

Espetáculo Love com o Cirque du Soleil em Las Vegas (Acervo pessoal)

Las Vegas é famosa pelos seus hotéis cassinos que além de serem imensos ainda abrigam normalmente uma área de show coberta para grandes eventos com capacidade até para 20 mil pessoas. Para você ter uma ideia, cada hotel é do tamanho de um shopping com seus cassinos reluzentes que atraem até quem não gosta de jogo de azar, como eu. Ainda arrisquei um dólar numa daquelas máquinas e ganhei cinco. Nada mal.

Quer ler mais matérias exclusivas? Clique aqui e acesse a área de assinante do CORREIO 

Também tive o prazer de assistir dois grandes espetáculos. O primeiro no Hotel Venetation com um grupo australiano chamado Human Nature, que fazia um musical em homenagem à gravadora Motown, famosa por lançar e divulgar os grandes artistas negros americanos como Diana Ross, Marvin Gay e Michael Jackson. Um espetáculo belíssimo chamado "Australia´s Human Nature Sings Motowns and More" composto por grandes sucessos. O interessante é que esse grupo é formado por quatro cantores brancos que encararam o espírito dessa gravadora que marcou época.

Eu em Las Vegas: joguei um dólar e ganhei cinco 
Foto: Acervo Pessoal

Outro espetáculo inesquecível foi LOVE, no Hotel Mirrage realizado pelo Cirque du Soleil que tem a trilha sonora de músicas dos Beatles e estava em cartaz há um bom tempo. As canções foram remixadas e remasterizadas pelo produtor George Martin, conhecido como o quinto Beatle, e seu filho Giles. Inclusive os dois únicos Beatles vivos, Paul McCartney e Ringo Star foram assistir na estreia e aprovaram. Todos os dois espetáculos sempre com casa cheia. Para não dizer que não falei das flores: em Vegas a prostituição  é legalizada e eu cheguei a ser abordado por uma profissional do sexo. Elegantemente declinei (rs).

Com Ivete Sangalo em Las Vegas: teve tombo, Beatles, música negra e Cassino

Foto:AFP

Passada a fase do turismo chegou o dia do show de Ivete Sangalo. Antes, fomos ao camarim cumprimentar a cantora e desejar boa sorte. Era uma festa. Estavam presentes o ator Thiago Lacerda, Eliana, Carol Castro, Giovanna Lancellotti, Gominho entre outros. Aquele entra e sai sob a coordenação de Fábio Almeida e Dito, empresário e assistente pessoal de Ivete, respectivamente. Uma festa que só brasileiros sabem fazer quando se encontram no exterior. Tietagem terminada Ivetinha, a banda e o corpo de dançarinos se dirigiram ao palco principal.

O público estimado em umas 15 mil pessoas estava animado quando Mainha entrou em cena sob os acordes da música Tempo de Alegria. Foi aí que veio o fato inusitado: de repente Ivete tomou um tombo caiu e imediatamente se levantou. Com a experiência e a canja em grandes shows isso não ria lhe abalar. Como se nada tivesse acontecido ela continuou agitando a galera. E o detalhe é que pouca gente percebeu. Porque foi tão rápido. Eu mesmo que estava próximo ao palco quando percebi, ela já estava se levantando.

Foto: AFP

Claro que essa foto dela caída foi destaque nos principais jornais. Depois em conversa com os jornalistas Ivete comentou bem humorada sobre o acontecido, chegou a brincar dizendo que “fazia parte do roteiro (rs) e continuou desfilando seus hits intercalando comentários ora em inglês ora em português. Tudo com o jeito Ivete Sangalo de ser. E deixou para terminar o show com Sorte Grande. Antes ela pediu uma salva de palmas para homenagear o grande mestre dos Blues e da guitarra BB King que havia morrido no dia 14 de maio de 2015 um dia antes do show de Ivete que foi dia 15.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas