Ouro! Nordeste! Brasil! Ítalo Ferreira é o 1º campeão olímpico de surfe

esportes
27.07.2021, 04:53:00
Atualizado: 27.07.2021, 12:43:06
Ítalo foi sóbrio e espetacular para vencer japonês que deixou Gabriel Medina pelo caminho e conquistar o ouro olímpico (Foto: Jonne Roriz/COB)

Ouro! Nordeste! Brasil! Ítalo Ferreira é o 1º campeão olímpico de surfe

Surfista potiguar levou a primeira medalha de ouro do Brasil na Olimpíada de Tóquio

As águas escuras de Tsurigasaki ficaram com gosto de lágrima, cheiro de emoção e marcadas na história. Nordestino, potiguar, brasileiro: Ítalo Ferreira dominou a bateria da final contra o japonês Kanoa Igarashi com uma aula de técnica e estratégia para se tornar o primeiro campeão olímpico da história do surfe. O garoto que surfava em tampas de isopor e porta de geladeira conquistou o mundo mais uma vez, com uma vontade que conquistou o coração do país e que nem mesmo uma prancha quebrada conseguiu parar.

Ítalo é uma história de superação, beleza, técnica e carinho. As lágrimas e menções à família e principalmente à avó, falecida em 2019, meses antes da conquista de seu título mundial, não deixam mentir. Seu ouro é mais um marco para que os esportes sejam valorizados e, no caso do surfe, tirados da marginalidade, para que novos Ítalos surjam.

Ítalo confirmou o favoritismo brasileiro na modalidade. Para vencer o ótimo Igarashi por 15.14 a 6.60, o surfista foi, acima de tudo, extremamente maduro. Foram poucas as tentativas de manobras aéreas, mas a precisão nas manobras 'dentro' da onda fez o diferencial.

Quem vê o placar folgado não imagina o drama no início da bateria: logo em sua primeira onda, Ítalo quebrou a prancha e precisou trocar por uma reserva. A primeira levada pela comissão técnica não agradou e, na beira do mar, pediu outra.

Aos oito minutos, o brasileiro pegou a sua primeira boa onda, recebendo nota 7.00 dos juízes. Àquela altura, o adversário nao tinha conseguido nenhuma onda interessante, somente com as notas 3.83 e 0.67 após uma queda. Ítalo fazia uma apresentação na contramão e trocou a sua segunda nota na sequência, ao pegar uma onda de 5.50.

Veio a manobra aérea 8 minutos depois, rendendo 7.77 e deixando Kanoa numa delicada situação de precisar de duas ondas para conseguir uma virada.

Daqui do Brasil, a torcida estava nervosa. Ítalo não. Sereno, seguiu dando baile, show, aula - seja lá como queira definir. Faltando três minutos, pegou uma onda de 7.37 e, ao sair da espuma, seu sorriso entregava o inevitável: um rapaz latino-americano que até bem pouco tempo não tinha dinheiro no banco, sem parentes importantes e vindo do interior conquistou a primeira medalha de ouro olímpica da história do surfe. O resultado de 15.14 x 6.60 estava sacramentado. Ouro do Brasil.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas