Peça Medeia Negra relê mito grego a partir do olhar da mulher encarcerada

entretenimento
09.04.2021, 14:00:00

Peça Medeia Negra relê mito grego a partir do olhar da mulher encarcerada

Encenação integra programação do festival Enxurrada Casa Preta III; apresentação será no sábado (10), às 20h, no Youtube

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Protagonizada por Márcia Limma, a peça Medeia Negra, listada como um dos espetáculos nacionais mais importantes de 2018 pela revista Bravo, será transmitida pelo projeto Enxurrada Casa Preta III, no Youtube do casarão, no sábado (10), às 20h. O solo que recria a tragédia grega para os contornos reais da voz, do corpo e do pensamento de uma mulher negra, expõe opressões sofridas por essas mulheres em diferentes lugares de fala e tempos históricos. 

Através da interculturalidade e referências afro-diaspóricas dos itãs e arquétipos dos orixás, Márcia Limma, que também assina a dramaturgia, re-visita e desconstrói a antiga versão da mitologia, do tragediógrafo Eurípides, para convocar as mulheres à retomada do poder. A obra, dirigida por Tânia Farias, é parte da pesquisa que a atriz desenvolveu com mulheres encarceradas, no Mestrado em Artes Cênicas na UFBA.

Em encontros realizados no Conjunto Penal Feminino de Salvador, a atriz teve contato com mulheres encarceradas e aprofundou a compreensão do arquétipo de Medeia. As visitas contribuíram para que o discurso presente na obra refletisse a condição de mulheres que romperam com diferentes níveis de prisões políticas, históricas e sociais.

“As experiências que vivi com elas estão em uma carta com nossas sensações e desejos. Elas escreveram cartas para Medeia e eu respondi a elas em uma carta que, para mim, é a síntese do nosso laço, da nossa irmandade, das nossas confissões,” diz Márcia Limma.

Por meio da ancestralidade e da evocação dos cânticos negros de libertação, em toda a apresentação o espectador se depara com diferentes Medeias em uma viajem até a Medeia Negra, que transborda e traz à tona os encarceramentos emocionais vividos durante a formação da personalidade e da psique desse feminino. 

O público também é convidado a se posicionar diante das provocações da personagem e tem a oportunidade de refletir sobre o seu lugar no processo de desconstrução de mitos e práticas patriarcais e racistas, diante dessa nova leitura. 

“Medeia representa as mães ancestrais que expressam a morte como transformação e reconstrução e não como o fim da vida. A descolonização do pensamento patriarcal  é o instrumento utilizado para questionarmos o condicionamento social que marginaliza, julga e condena corpos considerados inadequados,estrangeiros, estranhos”  acrescenta Márcia Limma.

O Enxurrada da Casa Preta III é contemplado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura Municipal de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundo da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas