Perfil: Guto Lago, de farmacêutico à chef

bazar
07.07.2015, 16:09:00
Atualizado: 08.07.2015, 17:05:19

Perfil: Guto Lago, de farmacêutico à chef

Guto Lago é chef do restaurante do Hotel Villa Bahia, no Pelourinho (fotos de Angeluci Figueiredo)


Assistente de cozinheiro foi profissão de criança. Guto Lago, 44 anos, ajudava a mãe a cortar cebola e tomate desde muito pequeno. Ganhou intimidade com a cozinha, mas não mexia em panelas da porta de casa para fora. Virou farmacêutico, abriu uma farmácia e passou anos ajudando as pessoas a escolherem remédios. O efeito colateral foi a insatisfação. “Eu percebi que não estava mais feliz, tomei coragem, larguei minha vida estabilizada com mais de 30 anos e em 2007 fui estudar gastronomia no primeiro curso que abriu em Salvador”, lembra. Guto concluiu a faculdade, fechou a farmácia e passou cinco anos na Europa, entre Espanha, Portugal e Itália, se especializando em culinária. Voltou para Salvador a convite e foi chefiar o restaurante do Hotel Villa Bahia, no Pelourinho. “O Pelourinho estava abandonado pelos poderes públicos e também pela população. Desde que cheguei, o faturamento do restaurante aumentou em quase cinco vezes. Fico muito feliz quando os clientes me dizem que voltaram ao Pelourinho para comer no Villa Bahia. Ouvir ‘você me trouxe aqui’ me deixa gratificado”, revela.

Livros: “Tenho de 800 a mil livros de gastronomia. Um chef trabalha com estudo, criação e experimento. Estou evoluindo, graças a Deus”


Coração: “Descobri que estou com colesterol alto e tomo esse remédio de ômega 3 todo dia ao acordar”
Calculadora: “É da farmácia, do meu dia a dia de fazer contas e me preocupar com contas para pagar. Ela foi minha companheira”
Gaudí: “Foi o que mais me encantou em Barcelona. A Sagrada Família é a igreja mais bonita que já vi na vida”
Sapatos: “Tenho vários. Este é confortável e o design é bem especial”
Perfume:  “Esse Polo eu uso há mais de 30 anos. Gosto da fragrância e acho versátil”
Estojo:  “São peças fundamentais para o meu trabalho.  Tem uma faca que só eu uso e tenho muito ciúme”
Relógio:  “Foi presente de 15  anos de meu pai. Guardo com muito carinho”
Moka:   “É um dos segredos de um bom café. Uso muito para um café encorpado, gostoso”

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas