Piscina Olímpica Municipal começa a tomar forma

esportes
16.04.2018, 20:23:11
Atualizado: 17.04.2018, 13:00:19
Já dá pra saber onde ficará a piscina: daqui a uns dias, é só se jogar! (Mauro Akiin Nassor/CORREIO)

Piscina Olímpica Municipal começa a tomar forma

Equipamento serviu aos Jogos do Rio-2016

Ela já recebeu o fenômeno Michael Phelps, a garota de ouro Katie Ledecky e a ‘dama de ferro’ Katinka Hosszu. Todos eles donos de várias medalhas de ouro no Rio de Janeiro, em 2016. E agora está perto de receber as meninas e meninos de Salvador apaixonados pela natação.

Quem passa diariamente pela orla da Pituba já pode inclusive vê-la tomando forma no horizonte. É a Piscina Olímpica Municipal, que serviu aos Jogos Olímpicos do Rio-2016, e que será instalada na Praça Wilson Lins para uso públicos dos baianos.

Primeiro, as peças ficaram armazenadas na Base Naval de Aratu. No final de fevereiro, começaram a ser montadas no espaço na Praça Wilson Lins, onde já havia acontecido uma terraplanagem. A previsão para o término da montagem é de mais dois meses, no dia 18 de junho. Esta primeira etapa da obra, que inclui a piscina propriamente dita, está 40% pronta.

A segunda etapa, licitada e contratada neste mês, inclui portaria, vestiários, banheiros, administração, arquibancada, academia e subestação. Tem previsão de término em outubro. A obra é coordenada pela Secretaria Municipal de Trabalho, Esporte e Lazer (Semtel). 

A piscina mede 25 metros de largura por 50 metros de comprimento, com 2 metros de profundidade. Ela vai atender a crianças e adolescentes em escolinhas de iniciação esportiva, além dos atletas de alto rendimento. A expectativa da Prefeitura é atender 2,5 mil jovens por ano nas escolinhas, que serão criadas em parceria com a Federação Baiana de Desportos Aquáticos (FBDA). 

O equipamento terá uma arquibancada fixa com capacidade para 350 espectadores e um espaço para a montagem de uma arquibancada móvel, também para 350 pessoas. O investimento é de R$ 1,3 milhão.

A cessão do equipamento pelo Rio-2016 foi fruto de uma cooperação técnica entre a Prefeitura, a Aeronáutica, responsável pela aquisição da piscina, o Ministério dos Esportes, que definiu Salvador como uma das cidades que a receberiam, e a Myrtha Pools, empresa italiana que fabricou e está instalando o aparelho.

A obra faz parte de um projeto de requalificação da Praça Wilson Lins, em uma área de 6,3 mil m². Além da piscina, o espaço público receberá estacionamento, ciclovia, escultura, anfiteatro, posto de salva-vidas e uma área para práticas esportivas por pedestres.