PM leva crianças para o circo em projeto que fala de super-heróis

salvador
08.11.2018, 15:03:00
Atualizado: 08.11.2018, 16:02:32
Palhaços fizeram a alegria das crianças (Foto: Marina Silva/ CORREIO )

PM leva crianças para o circo em projeto que fala de super-heróis

Cinco policiais foram homenageados durante o evento

O céu estava nublado quando um grupo de mais de 300 crianças, a maioria entre 4 e 8 anos, desembarcou no Le Cirque Amar, na Avenida Paralela, na manhã desta quinta-feira (8). Fardados, os pequenos estudantes entraram no picadeiro em fila indiana para ver os super-heróis favoritos e dar boas gargalhadas com os palhaços de plantão.

Crianças observam atentas as performances do homem-aranha (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

Logo na chegada um policial militar vestido de Capitão América, o Cabo América, dava as boas-vindas à garotada. Isso porque a ação foi uma iniciativa da Polícia Militar em parceria com a direção do circo. Segundo o comandante da 82ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/ CAB), major Kley Menezes, o objetivo do projeto ‘PM: Heróis de Verdade’ é aproximar as crianças da corporação.

“Essa é a 3ª edição do evento. Trazemos crianças de creche para que possam ver o policial militar como o herói de verdade, para que possam ter essa referência da Polícia Militar. Nossos policiais fazem atos heróicos no exercício da função e nos horários de folga. No ano passado, homenageamos os policiais que aturaram no acidente de Mar Grande, na Ilha de Itaparica, e um colega que salvou uma senhora tetraplégica de uma casa em chamas, no horário de folga”, disse.

Acrobata faz manobra arriscada (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

Um dos momentos de maior emoção para os pequenos foi quando o Homem-Aranha surgiu escalando o picadeiro e fazendo acrobacias pendurado a muitos metros do chão, sem corda de apoio. Os olhos da plateia não perdiam um movimento, enquanto muitas bocas ficaram abertas observando o super-herói se desdobrando no vai e vem lá em cima.

Khaled Florêncio, de apenas 5 anos, era um dos mais empolgados. A mãe dele, a publicitária Nadja Teles, 39, contou que essa foi a primeira vez que o menino foi ao circo. “Essa ação é muito boa porque possibilita um momento de interação para as crianças e aproxima elas da Polícia Militar. Meu filho tem autismo e nunca tinha ido ao circo. Ele falou desse passeio a semana toda”, disse, entre risos.

khaled e Nadja observam as manobras dos super-heróis (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

Os palhaços divertiram a molecada com brincadeiras e provocações, e as manobras arriscadas das acrobatas nas fitas e argolas fizeram alguns perderem o fôlego. Com o dedo em riste, Cauã Almeida, 4, chamava a atenção do pai, o policial militar Daniel Almeida, 35, para o que acontecia no picadeiro. “Essa é a primeira vez que ele vem ao circo”, contou o PM.

Quando os motoqueiros do Globo da Morte entraram no palco foi a vez dos adultos não tirarem os olhos do picadeiro, principalmente, depois que o cabo América aceitou o convite para ficar dentro do globo durante as manobras. Um ciclista equilibrista e um casal de ilusionista encerraram a festa.

Palhaços fizeram a festa com a molecada (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

Para o gerente do Le Cirque Amar, Wellington Nogueira, a ação tem mais que um cunho lúdico. “O Le Cirque sempre se preocupou muito com o lado social para que não deixe nunca desaparecer da cabeça das crianças a imagem do circo, trazendo pessoas que não têm condições de pagar para assistir a um espetáculo. Fomos procurados pela polícia e aceitamos a proposta de fazer um show especial”, disse.

Alunos do Centro Integrado de Educação Infantil Alma Mirim (CIEI), em Arembepe; Escola Municipal Professora Anfrísia Santiago, no Cabula; Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) da Boca do Rio; Creche Nossa Senhora das Graças (Creche da PM); Conselho de Defesa dos Direitos Humanos, de Lauro de Freitas; além de filhos de policiais foram os convidados da apresentação especial.

Artistas surpreenderam o público
Artistas surpreenderam o público (Foto: Marina Silva/ CORREIO)
(Foto: Marina Silva/ CORREIO)
(Foto: Marina Silva/ CORREIO)
(Foto: Marina Silva/ CORREIO)
(Foto: Marina Silva/ CORREIO)
(Foto: Marina Silva/ CORREIO)
(Foto: Marina Silva/ CORREIO)
(Foto: Marina Silva/ CORREIO)
(Foto: Marina Silva/ CORREIO)
(Foto: Marina Silva/ CORREIO)
(Foto: Marina Silva/ CORREIO)
(Foto: Marina Silva/ CORREIO)

Homenagem
Antes do espetáculo começar cinco policiais militares foram homenageados por atos de heroísmo. Este ano, os escolhidos foram os envolvidos na ação de assalto com reféns em uma farmácia em Sussuarana, em julho deste ano. Os militares negociaram com os bandidos a liberação dos 12 reféns e prenderam os três criminosos sem disparar um tiro.

O sargento Antônio Jorge Ferreira, 44, foi o responsável pela operação na época. Com 21 anos de corporação, essa foi a primeira vez em que ele recebeu uma homenagem e disse estar emocionado. O PM começou a entrevista dizendo que não se considera um herói, mas um cumpridor do dever.

“Esse evento deveria acontecer mais vezes porque, por muitas vezes, nós policiais não somos reconhecidos. Sabemos dos nossos defeitos, como em toda família existem os bons e os maus filhos, na nossa família não é diferente, mas em nossa grande maioria somos pessoas de bem, honestas, honradas, profissionais, dedicadas, abnegadas ao serviço militar e a defesa da sociedade. Estou feliz e sei que outros colegas mereciam estar aqui”.

Sargento Antônio Jorge foi um dos homenageados (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

Além dele, receberam uma medalha e um certificado a cabo Edileia Gomes e a soldada Sheila Lima. Os soldados Antônio Nascimento e Rafael Damasceno também foram homenageados, mas não puderam comparecer à cerimônia. O coronel da PM, Anildo Batista, e o comandante da 82ª CIPM, Kley Menezes, receberam uma placa pela iniciativa.

“Nosso objetivo com esse evento é mostrar para essas crianças um outro lado dos policiais. As homenagens são para ações onde houve a intervenção da Polícia Militar e preservaram-se vidas. A gente traz a figura do herói para que elas não vejam a gente como algoz, mas como agente regulador de determinadas situações. Nosso slogan é polícia e comunidade na corrente do bem”, afirmou. 

Major Kley e coronel Anildo recebem placa pela iniciativa (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

O coronel também destacou a coragem dos policiais na resolução de problemas. O Le Cirque Amar está na Avenida Paralela, nas imediações do Shopping Paralela, no sentido Rodoviária. Os espetáculos duram cerca de duas horas e acontecem, de terça a sexta-feira às 20h30, e nos sábados, domingos e feriados às 15h30, 18h e 20h30. Os ingressos custam a partir de R$ 20.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sandy-lanca-musica-em-parceria-com-iza-ouca/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/hbo-dos-eua-estreia-a-amiga-genial-adaptacao-do-romance-de-elena-ferrante/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/autor-de-latrocinio-contra-o-assessor-michel-e-preso-em-santa-catarina/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/atriz-instala-cameras-em-quarto-para-gravar-agressoes-do-marido-veja/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/webserie-inspira-empreendedores-assista/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/o-ultimo-a-sair-apaga-a-luz-do-othon-hotel-ja-esta-sem-nenhum-hospede/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/piloto-alema-de-17-anos-sofre-acidente-grave-e-sera-operada/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/temer-ressalta-forca-e-estabilidade-das-instituicoes-em-pronunciamento/