Podcasts do CORREIO contam a história do forró

entretenimento
21.06.2021, 10:18:00

Podcasts do CORREIO contam a história do forró

Série de reportagens fala da evolução do ritmo, até o sucesso do Barões da Pisadinha

O CORREIO preparou uma série especial de podcasts para este São João, que estreou na segunda-feira passada. Hoje, estreia o segundo episódio e na próxima semana, o último. O primeiro foi uma reportagem especial sobre a pisadinha, ritmo que se tornou fenômeno no país, principalmente com a dupla Barões da Pisadinha, que tem a música Quem me Colocou Pra Beber na mixtape do preparada por Telefunksoul para o CORREIO.

"A pisadinha nasceu na Bahia em 2004 e inicialmente passou despercebida. Mas agora voltou com muita força e hoje já ameaça o sertanejo". diz Vitor Villar, repórter do CORREIO que realiza os podcasts especiais. No segundo, que fica disponível a partir de hoje, o assunto são as variações do forró. "Vamos falar das diferenças entre xote, arrasta-pé, baião... e para isso, vamos usar alguns clássicos do forró para exemplificar", diz Villar.

Na próxima segunda-feira, o terceiro episódio vai falar sobre a evolução do forró, que começou como um trio nordestino e hoje tem muitas variações e admite uma diversidade de instrumentos. Se inicialmente, eram usados apenas zambumba, triângulo e sanfona, hoje o ritmo já usa guitarra, baixo e bateria.

A série especial de forró integra os podcasts do CORREIO, O Que a Bahia Quer Saber, que teve início com reportagens especiais sobre o desemprego. Também está disponível uma reportagem sobre mudança climática.

* O São João no Correio conta com o apoio da Perini,  Mahalo, E Stúdio, ITS Brasil, Hotel Vila  da Praia e Blueartes.
 



***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas