'Poesia que Transforma', no Globoplay, mostra como arte muda a vida

entretenimento
21.12.2021, 06:00:00
(fotos: divulgação)

'Poesia que Transforma', no Globoplay, mostra como arte muda a vida

Leitores de Bráulio Bessa mostram a importância da poesia em suas vidas

Há uma frase recorrente, que, de tão repetida, já perdeu um pouco de sua força e já até virou clichê: "a arte transforma". Mas quantas pessoas já perceberam pequenas mudanças em sua vida por causa daquele filme que assistiu, daquela música que ouviu ou de um livro que leu?

E a poesia também é capaz de provocar mudanças em seus leitores. É isso que a série documental Poesia Que Transforma, que estreia amanhã no Globoplay, vai provar. A produção, em cinco capítulos, vai mostrar como os textos do poeta popular Bráulio Bessa impactaram a vida de seus leitores e como a vida deles se transformou, em parte, por causa das palavras do poeta cearense nascido na pequena Alto Santo, cidade onde vivem 17 mil pessoas.

Poesia que Transforma é dividida em cinco episódios: raízes, amor, igualdade, fé e recomeço. Em cada um deles, três pessoas de dez estados do país têm suas trajetórias revisitadas desde as origens até o momento em conheceram os versos de Bráulio.

Kalina e Dom Chicla

O documentário trata de temas da atualidade, como racismo, homofobia, intolerância religiosa, desigualdade social, xenofobia e outros assuntos que também estão na obra de Bráulio. A série também tem como pano de fundo a história de vida do próprio poeta, com depoimentos de sua família, como o da esposa, Camila Mendes.

Braúlio lembra de sua vida de estudante no Ceará e diz como a poesia também mudou sua vida. Foi outro poeta popular, Patativa do Assaré, o responsável por isso: "Até os 14 anos de idade, não sabia dizer o que queria ser quando crescesse. Certa vez uma professora me perguntou isso na aula e eu fui o único aluno que disse: ‘Não sei’. Pouco tempo depois, li um livro de Patativa do Assaré, naquele dia botei na cabeça que queria ser poeta, escritor, lançar livros e etc. Eu dizia que um livro meu ainda transformaria a vida de muita gente, assim como o livro de Patativa do Assaré me transformou", diz Bráulio.

O poeta passou por aproximadamente dez estados e 15 cidades, de Norte a Sul do país, incluindo Salvador. Na capital baiana, o anfitrião do programa conheceu Kaliane e Dom Chicla. A primeira é paraibana e vive na Bahia, vendendo brigadeiros no Porto da Barra. Dom Chicla, que nasceu no Rio de Janeiro e também mora na Bahia, é músico e compositor. Já teve composições gravadas por Ivete, É o Tchan, Saulo e Harmonia, entre outros.

Kalina sonhava em morar em Salvador e diz que foi encorajada a tomar essa atitude depois que leu o livro Poesia Que Transforma, de Bráulio. Foi ela que apresentou a Dom Chicla os textos do artista cearense. Enquanto ela é evangélica, ele é do candomblé. Os dois, que são muito amigos, estarão no capítulo Fé e falarão sobre a experiência de aceitar as diferenças religiosas.

"A história de vida do Bráulio e suas poesias me deram força pra arriscar um caminho diferente, e realizar um sonho que era viver na Bahia. Foi aquele verdadeiro "empurrão" pra eu recomeçar", revela Kalina. Para ela, a diferenças religiosas com Chicla até os ajudaram a se aproximarem um do outro. "Digo que sempre aprendemos um com o outro. Ele me ensinou muito sobre as religiões de matrizes africanas e eu sempre falo do milagres que Deus tem realizado em minha vida".

Bráulio ressalta que o encontro com Kalina e Chicla foi especial para ele: "É uma história tão bonita costurada pela poesia, pela fé, pela amizade e por tantas outras linhas de amor. A Bahia me acolhe sempre com um abraço muito sincero, e foi assim que esses dois me receberam".

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas