Política de preços da Petrobras não vai mudar, diz Parente

brasil
22.05.2018, 11:36:08
Atualizado: 22.05.2018, 11:42:03
((foto: Divulgação / Palácio do Planalto))

Política de preços da Petrobras não vai mudar, diz Parente

Presidente da estatal participou de reunião com ministros do governo Temer para discutir formas de combater as altas da gasolina e do diesel

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, disse que o governo não tem o objetivo de pedir qualquer mudança na política de preços da Petrobras, que prevê reajustes diários dos combustíveis de acordo com a variação do câmbio e dos preços internacionais. Parente participou de uma reunião com os ministros da Fazenda, Eduardo Guardia, e de Minas e Energia, Moreira Franco. 

"Ficou esclarecido na reunião que, em hipótese nenhuma, em nenhum momento, passou pela cabeça do governo pedir qualquer mudança na política de preços da Petrobras. Não houve discussão em relação à política", afirmou.

Parente também negou que tenha sido discutido um aumento na frequência dos reajustes. "Isso nunca foi considerado. Câmbio e preços mudam diariamente, esses fatores não são provocados pela Petrobras", completou. 

Na segunda-feira, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, admitiu que a Petrobras seria chamada a conversar sobre uma maneira de dar mais previsibilidade às variações de preços dos combustíveis.

Segundo o presidente da estatal, o governo pediu informações sobre a dinâmica do mercado para considerar "eventuais medidas". "Outras medidas serão discutidas posteriormente, mas não no âmbito da Petrobras. O governo está preocupado com os preços e está procurando ver o que pode ser feito no nível dele", afirmou

O presidente, no entanto, não respondeu se a redução de tributos sobre combustíveis foi um dos temas da reunião. "Sobre temas da alçada do governo quem tem que falar são as autoridades do governo", afirmou. 

Ele também negou que a redução nos preços do diesel e da gasolina anunciada nesta terça pela Petrobras tenha sido em virtude de pressão do governo. "Imagina, a redução de hoje é simples de entender, houve uma redução importante no câmbio", acrescentou.



***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas