Ponte-Usina Salvador-Itaparica

artigo
24.10.2018, 10:25:52
Atualizado: 25.10.2018, 17:23:32

Ponte-Usina Salvador-Itaparica

As informações sobre a construção da ponte Salvador-Itaparica, que voltam a circular na imprensa local, convidam a reflexões sobre os possíveis construtores chineses. Meticulosos e capacitados, investem em “pontes” geradoras de conhecimento, articulando suas universidades, centros de pesquisas e empresas para o desenvolvimento de tecnologias inovadoras, atendendo ao mercado interno e aos clientes conquistados em prospecções graduais e precisas – estamos diante de prováveis negócios da China na Bahia.

Aos formuladores do edital da ponte Salvador Itaparica deve ser concedido “absoluta liberdade de sonhar”, como ensinava o famoso arquiteto Le Corbusier, desde que as propostas sejam sustentáveis, concretas e exequíveis.

Comprometida com a descarbonização da sua economia, a China, segundo maior PIB do mundo, 13 trilhões de dólares, crescendo 7% ao ano - meio Brasil por ano -, é recordista mundial em poluição. Com 8% das emissões globais, adotou uma abordagem de livre mercado para transformar carbono e energias renováveis em lucrativos negócios.
 
No final de 2017, usando inteligência artificial (IA) e blockchain, os chineses revelaram planos para um programa nacional de comércio de emissões, anunciando a criação do maior mercado de carbono do planeta que terá o dobro do tamanho da União Europeia.

Neste novo cenário internacional descarbonizante, quanto será que vale a energia do vento, do sol e das marés da Baía de Todos os Santos (BTS)? Quantas cidades podem ser abastecidas com essas fontes limpas? Se for valorado e precificado o seu potencial energético natural poderá ser monetizado, ajudando a incrementar receitas da ponte-usina. Não faltarão investidores para uma ponte (outdoor) na Capital da Amazônia Azul.

Usuários de IA, a China Railway Construction Corporation (CRCC) e a China Railway (CR20), em contato com o governo baiano, não perderão a oportunidade de apresentar internacionalmente uma ponte rodoferroviária Salvador Itaparica (12,4 km de extensão) com uma triusina - eólica, solar e maremotriz - a primeira do mundo. Ganha a Bahia.

Se adotar o princípio low-carb, o novo sistema viário baiano incorporará o modal ferroviário com uma charmosa e turística estação de trem em Santo Antônio de Jesus, fazendo o percurso via Ilha de Itaparica até o metrô de Salvador, deslocando mais passageiros, mais rápido e diminuindo o indesejável e poluente engarrafamento de carros.

O transporte metroviário emite 50 vezes menos gases de efeito estufa por passageiro/km que os automóveis e quase 25 vezes menos que os ônibus. O metrô gera 2 gramas de CO2e (CO2 equivalente) por passageiro/km, enquanto os ônibus municipais emitem cerca de 52g de CO2e por passageiro/km, o que cabe como luva nos planos descarbonizantes chineses.

Autorizado por Le Corbusier a sonhar, a infraestrutura de um circuito rodoferroviário ligando Salvador-Feira de Santana-Santo Antônio de Jesus, interligado pela Ponte Amazônia Azul [assim será batizada a Salvador-Itaparica], funcionará como acelerador de riquezas, incentivando startups e criando ambiente favorável para novos negócios.

Se for construída, a ponte-usina será projetada e operada por supercomputadores de última geração (instalados no Senai-Cimatec) que informarão, além do trafego e volume de passageiros, a quantidade de quilowatts gerados por unidade tempo, mostrando, online, o valor da energia (recursos hoje dispersos) disponibilizada. 

O complexo da ponte Amazônia Azul também abrigará uma estação de monitoramento da BTS em blockchain, o "Cimatec Mar", pesquisando, valorando e precificando os ativos ambientais, via processamento de bigdata, a fim de garantir recursos para pesquisas e conservação das áreas que precisam ser protegidas e desenvolvidas, como já fazem baias do mundo.

Com placas fotovoltaicas, turbinas eólicas e submarinas, construídas e operadas com tecnologias de última geração, a nova ponte-usina da BTS, gerando energia limpa e renovável, será destaque entre as baias parceiras do Clube das Mais Belas Baias do Mundo, sediado em Paris [world-bays.com/allsaints-bay], contando um pouco da história do nosso futuro.

*Eduardo Athayde é diretor do WWI-Worldwatch Institute no Brasil.

Opiniões e conceitos expressos nos artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/empreendedores-nunca-devem-parar-de-aprender-dizem-participantes-do-acelerese/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/forum-agenda-bahia-dez-anos-de-inovacao/
Edição de 2018 foi recordista de público; veja vídeo com melhores momentos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/em-clipe-gravado-em-salvador-anitta-rebola-na-boquinha-da-garrafa/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/capita-marvel-nem-estreou-e-ja-tem-homem-boicotando/
Tudo por causa de um pedido da protagonista, Brie Larson, por mais inclusão
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/veja-como-foi-liverpool-0x0-bahia-pela-copa-sul-americana/
Resultado elimina o tricolor na primeira fase da competição; CORREIO transmitiu a partida ao vivo
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/luisa-sonza-sera-convidada-do-trio-de-ivete-sangalo-em-salvador/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pabllo-vittar-anuncia-clipe-de-buzina-para-antes-do-carnaval/
A música mais animada do mais novo disco da drag deve ser sua aposta para o Carnaval
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/classico-da-tv-sai-de-baixo-chega-aos-cinemas/
Elenco é o mesmo do programa, com exceção de Cláudia Jimenez
Ler Mais