Pré-indicação de Deserto Particular ao Oscar confirma talento de Aly Muritiba

entretenimento
25.11.2021, 05:44:00
Atualizado: 25.11.2021, 05:53:16
(fotos: divulgação)

Pré-indicação de Deserto Particular ao Oscar confirma talento de Aly Muritiba

Novo longa do diretor baiano foi filmado em Sobradinho, interior do estado

Se você não é muito atento ao cinema brasileiro, talvez até se surpreenda com a escolha de Deserto Particular, dirigido pelo baiano Aly Muritiba, escolhido pelo Brasil para representar o país na categoria de melhor filme estrangeiro no Oscar. Mas se costuma assistir às produções nacionais e conhece longas como Para Minha Amada Morta e Ferrugem, certamente acha natural que um filme de um dos melhores cineastas brasileiros da atualidade cobice um lugar na cerimônia que acontecerá dia 27 de março e cujos indicados serão revelados em 8 de fevereiro. Em Veneza, venceu uma das mostras paralelas, segundo escolha do público.

Embora não seja um nome popular, Muritiba dirigiu algumas das melhores produções nacionais recentes, como as citadas acima. As duas são uma mistura de drama e suspense como raramente se vê por aqui. E Deserto Particular confirma o talento deste cineasta, que agora vai por um caminho diferente e faz um drama mais "puro", não tão tenso quanto seus outros filmes, porém igualmente denso. Aly é também diretor da angustiante minissérie O Caso Evandro, do Globoplay, sobre o caso do menino de 6 anos que desapareceu em 1992 em Santa Catarina.

Pedro Fasanaro também está no filme

Deserto Particular, que chega nesta quinta-feira (25) aos cinemas, é protagonizado por Antonio Saboia (Bacurau), que vive Daniel, um policial afastado do trabalho depois de cometer um erro. Ele mora em Curitiba, com um pai doente, de quem cuida com devoção. Taciturno, Daniel fala pouco, e sorri menos ainda. Uma das poucas experiências que lhe dá alegria é o contato que mantém com a misteriosa Sara, uma moça que mora no sertão da Bahia, e com quem se corresponde por aplicativo de celular. O desaparecimento súbito de Sara faz com que Daniel resolva cruzar o país em busca de seu amor.

Em Sobradinho, ele realizada uma caçada à procura da amada. Anda com a foto dela em baixo do braço e, em cada esquina, pergunta se alguém a conhece. Espalha cartazes nos postes, pedindo informações sobre Sara, até que finalmente tem uma resposta.

Muritiba diz que o momento político que o Brasil atravessa o motivou a realizar Deserto Particular: “Depois da eleição de Jair Bolsonaro, todas as minorias, mulheres, indígenas, a comunidade LGBTQIA+, negros, entre outros, passaram a ser sistematicamente perseguidas, e o país se dividiu entre o sul conservador e o norte e nordeste progressista. Essa época de ódio me motivou quando decidi sobre o que seria meu próximo filme. Faria uma obra sobre encontros. Nesse momento de ódio, resolvi fazer um filme sobre o amor”, explica o cineasta.

O diretor explica por que escolheu a cidade de Sobradinho. Para ele, é uma metáfora para os personagens: “Sempre me interessei por aquela pequena cidade erguida ao redor de uma enorme represa. Sobradinho é uma cidade rodeada de energia elétrica, mas também levantada sob o signo do represamento, do controle do fluxo das águas. Essa energia decorrente desse represamento move meus personagens, mas também essa vontade de sair se derramando por aí.”

Aly Muritiba


Quem é Aly Muritiba

O diretor Aly Muritiba, 36 anos, nasceu em Mairi, interior da Bahia. Aos 17 anos foi morar em São Paulo, onde estudou história. Casou-se com uma paranaense e foi para Curitiba. Naquela cidade, foi bombeiro e agente penitenciário. Mesmo sem intimidade com o universo do audiovisual, Aly foi fazer faculdade de cinema só para obter licença remunerada do trabalho, com o qual não tinha muita afinidade. De cinema, conhecia apenas o que passava na TV aberta. Dessa trajetória inusitada, nasceu um dos melhores diretores do país. Para Minha Amada Morta rendeu a Aly o Prêmio CORREIO Walter da Silveira: o cineasta foi a Personalidade Artística do Panorama Coisa de Cinema 2015. Para Minha Amada Morta está disponível apenas no Looke. Ferrugem, seu terceiro longa, está no Telecine Play e Google Play. A série O Caso Evandro é produção do Globoplay e está na plataforma.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas