Presidente da CBF ameaça clubes e descarta parar futebol no país

esportes
23.03.2021, 16:58:00
Atualizado: 23.03.2021, 17:04:48
Rogério Caboclo defendeu a manutenção do futebol no Brasil (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Presidente da CBF ameaça clubes e descarta parar futebol no país

Em vídeo vazado, Rogério Caboclo cita momentos financeiros delicados das agremiações e diz que "ninguém quer" paralisar os torneios nacionais

Em uma reunião virtual com clubes brasileiros, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, deixou clara a sua intenção em continuar as competições nacionais, mesmo em um período crítico da pandemia da covid-19 no país. A conversa aconteceu no dia 10 de março e contou com a presença de presidentes de times das Séries A e B.

O vídeo do encontro virtual foi publicado inicialmente pelo repórter Venê Casagrande, do jornal O Dia. Caboclo usou a falta de recursos dos clubes para argumentar que o futebol não poderia parar mais uma vez. 

"Eu vou mandar no futebol brasileiro e vou determinar que vai ter competição. Porque vocês estão f... se não tiver. Eu assumo o ônus por todos vocês", disse o presidente da CBF.

Entre os dirigentes que aparecem na videochamada, estavam os presidentes do Bahia, Guilherme Bellintani; do Corinthians, Duílio Monteiro Alves; do Flamengo, Rodolfo Landim; do Palmeiras, Maurício Galiotte; do Vasco, Jorge Salgado, do Atlético-MG, Sérgio Coelho; entre outros.

Ainda durante a reunião, Caboclo usa a Rede Globo e os patrocinadores como munição para pressionar os clubes a não parar o futebol. 

"Eu não abrirei mão, a não ser sob doutorado dos senhores, de jogar as competições nacionais, o que repercutirá nas internacionais e incorporará as estaduais... Então, por gentileza, vamos pensar agora: nós podemos parar o futebol? A Rede Globo não quer. Eu estou assegurando que não. Ninguém quer, seus patrocinadores não querem. E, se parar, sabe quando nós temos a segurança de dizer que a gente pode voltar? Nunca. No dia em que o governador do Mauricio disser que pode. No dia em que o prefeito de São Nunca disser que pode... Eu não vou estar à mercê de nenhum deles", falou.

Em nota, a Rede Globo afirmou que sua prioridade é "a segurança de todos", e que irá "seguir e respeitar todos os protocolos que forem definidos e decididos pelas entidades". 

Logo após a fala de Rogério Caboclo, o mandatário do Palmeiras, Maurício Galiotte, pede a palavra e sugere que a conversa sobre a continuidade do futebol seja adiada. O presidente da CBF, porém, mantém sua posição. "Não, por que em outro momento?", questiona. "Porque acho que a discussão é um pouco mais ampla, mas vou encerrar aqui a minha colocação", responde Galiotte. "Ótimo", finaliza Caboclo.

O presidente da CBF recebeu elogios do presidente do Avaí, Francisco Battistotti, pela posição sobre a continuidade das competições.

Ao fim da reunião, depois de sua explanação, Rogério Caboclo informou que tinha ligações para atender e perguntou aos outros dirigentes: "Algum presidente aqui presente é contra a continuidade?". Após cinco segundos de silêncio, o presidente da CBF se despediu.

Apesar da posição de Caboclo, alguns torneios estaduais estão sendo suspensos por governantes, com o agravamento da pandemia da covid-19 no Brasil. São os casos, por exemplo, do governador de São Paulo, João Dória, e do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes.

Leia a nota da Globo:

"Como vem fazendo desde o início da pandemia há mais de um ano, a Globo segue respeitando as orientações dadas pelas autoridades competentes e acompanhando as decisões dos organizadores das competições. Entendemos que o momento é de cautela, e que a prioridade é a segurança de todos. Vamos seguir e respeitar todos os protocolos que forem definidos e decididos pelas entidades”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas