Presidentes de Boca e River discutem hoje final da Libertadores

esportes
27.11.2018, 07:45:00
Casa do River, o Monumental de Núnez deveria ter sediado a final no fim de semana (Javier González Toledo / AFP)

Presidentes de Boca e River discutem hoje final da Libertadores

Dirigentes vão se reunir com o presidente da Conmebol, no Paraguai

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A final que não aconteceu no campo vai começar a ser definida hoje. Mas bem longe dos estádios Monumental de Nuñez e La Bombonera. Nesta terça-feira (27), os presidentes de Boca Juniors e River Plate, Daniel Angelici e Rodolfo D'Onofrio, respectivamente, se reúnem com o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, na sede da entidade, na cidade de Luque, no Paraguai, para definir uma solução sobre o segundo jogo da decisão da Copa Libertadores da América.

O duelo deveria ter acontecido no sábado (24), no estádio Monumental de Núñez, do River Plate, mas horas antes da partida o ônibus do Boca Juniors foi atacado, ao chegar no estádio, por pedras arremessadas por torcedores do River. Alguns jogadores sofreram lesões e passaram mal ao respirar o gás de pimenta usado pela polícia para dispersar a multidão.

Com o time do Boca sem condições de entrar em campo, a Conmebol adiou o início da partida por duas vezes antes de remarcar o jogo para o domingo (25). No dia em questão, o Boca alegou que não teria igualdade de condições em relação ao rival e a final acabou suspensa.

Hoje, as partes envolvidas começam a analisar uma nova data para a realização do jogo. No momento o clima é de total indefinição. Capitão do Boca Juniors, o volante Pablo Pérez, que sofreu uma lesão no olho causada por estilhaços de vidro, afirmou que não jogará em um local onde não se sinta seguro. Do outro lado, o River Plate não abre mão de que a final seja disputada no seu estádio.

Vale lembrar que a Conmebol precisa definir o campeão da Libertadores o mais rápido possível, já que o mesmo será o representante do continente no Mundial de Clubes da Fifa, que terá início no dia 12 de dezembro. O campeão sul-americano entra em campo pelo torneio no dia 18.

Como o primeiro jogo da decisão terminou empatado em 2x2, na Bombonera, um triunfo dá o título para River ou Boca. Um novo empate por qualquer placar leva a partida para a prorrogação. Permanecendo a igualdade, o campeão será conhecido nos pênaltis.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas