'Prisão perpétua não traria a vítima de volta', diz goleiro Bruno após deixar a cadeia

brasil
25.02.2017, 15:12:00
Atualizado: 25.02.2017, 15:15:25

'Prisão perpétua não traria a vítima de volta', diz goleiro Bruno após deixar a cadeia

Bruno foi condenado a a 22 anos e três meses de prisão pela morte da ex-namorada Eliza Samudio

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Condenado a 22 anos e três meses de prisão pela morte da ex-namorada Eliza Samudio, o goleiro Bruno falou pela primeira vez após deixar a Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac), em Santa Luzia (MG), na noite desta sexta-feira (24). Em entrevista à TV Globo Minas, Bruno afirmou que perpétua não traria a vítima de volta.

“Independente (sic) do tempo que eu fiquei também, eu queria deixar bem claro, se eu ficasse lá, tivesse prisão perpétua, por exemplo, no Brasil... não ia trazer a vítima de volta", afirmou o ex-jogador. Bruno disse ainda que pagou pelo erro que cometeu. Paguei, paguei caro, não foi fácil. Eu não apagaria nada. Isso serve pra mim de experiência, serve como aprendizado e não como punição", disse.

Acompanhado da esposa Ingrid e do advogado, Bruno saiu da Apac pela porta da frente
(Foto: Flávio Tavares/Estadão Conteúdo)

“Eu acho que, nessa questão de apagar o passado das coisas, eu não apagaria nada porque através de muito... por mais que eu não tivesse amigos verdadeiros, por mais que eu não tivesse passado por certas situações na [Penitenciária] Nelson Hungria, como eu passei, eu talvez eu não daria tanto valor à vida hoje", continuou. 

Volta aos campos
Na conversa, o goleiro afirmou que pretende recomeçar a sua vida e não descarta voltar a jogar futebol. O Inter de Limeira, de São Paulo, e o Penarol, do Amazonas, já manifestaram o interesse de contar com o goleiro. 

"Eu quero deixar bem claro que eu vou recomeçar. Não importa se seja no futebol, não importa se seja em outra área profissional, mas como eu vou estar na área do futebol, é o que eu almejo pra mim”, afirmou Bruno.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas