Projeto destaca bons momentos dos 30 anos de carreira de Arnaldo Antunes

Projeto destaca bons momentos dos 30 anos de carreira de Arnaldo Antunes

Seu mais recente trabalho é o CD/DVD Acústico MTV Arnaldo Antunes, com 22 músicas compostas ao longo de três décadas de trabalho, incluindo a fase Titãs e solo

Nilma Gonçalves
nilma.goncalves@redebahia.com.br

Arnaldo Antunes é um cara inquieto por natureza. Seu currículo de vida que o diga. Começou a desenhar e fazer poemas aos 13 anos. Aos 15, produziu um filme de ficção. Com a mesma idade, passou a compor. Aos 18, ingressou na faculdade de Letras e entrou para um grupo performático, onde tocava percussão e criava situações, no mínimo, inusitadas, como jogar livros para o alto e pentear vinis.


Arnaldo Antunes  fez novos arranjos para canções marcantes como O Que, Comida e Fora de Si e destacou suas parcerias com Carlinhos Brown, Margareth Menezes e outros baianos

A fama chegou com os Titãs, mas isso não tranquilizou a alma desse paulistano. Saiu do grupo em 1992 e seguiu em carreira solo. Além dos diversos projetos musicais, a dedicação maior à escrita foi um dos frutos do novo momento - ele já lançou 17 livros.

Todo esse compêndio introdutório tem uma razão: mostrar que o tempo passa, mas a inquietude do músico continua intacta. Aos (imperceptíveis) 52 anos - a serem completados em 2 de setembro - Arnaldo Antunes não para de produzir e, mais que isso, se reinventar.

Seu mais recente trabalho é o CD/DVD Acústico MTV Arnaldo Antunes, com 22 músicas compostas ao longo de três décadas de trabalho, incluindo a fase Titãs e solo. Todas ganharam novos arranjos. Duas são inéditas - Dentro de um Sonho e Ligado a Você. 

O convite da emissora para participar do tradicional projeto veio ano passado, quando ele comandava o Grêmio Recreativo, programa mensal que reunia artistas de várias gerações musicais.

Apesar de não ter sido intencional, o registro coroa os 30 anos de vida artística do ex-Titã. “Não foi um trabalho pensado para celebrar a data, mas veio a calhar”, revela. “Eu gosto muito desse formato acústico MTV. Um dos mais marcantes pra mim foi o do Gilberto Gil”, conta, referindo-se ao Acústico do músico baiano, gravado em 1994.   
  
Bahia 
A ligação de Arnaldo Antunes com a Bahia não fica apenas no nível da admiração. Basta ler o encarte do DVD para perceber que a parceria com artistas daqui permeia toda sua carreira musical.

Estão lá canções compostas com Margareth Menezes (Passe em Casa), Pepeu Gomes (Alma), Carlinhos Brown (Sem Você, Passe em Casa), além de Pop Zen, composição  de Alexandre Leão, Manuca Almeida e Lalado, anteriormente gravada pela banda Lampirônicos e que ganhou nova versão. 


 
“Eu gosto muito da música baiana. Sempre passo Carnaval em Salvador. Já participei do Cortejo Afro... É sempre maravilhoso”, derrete-se, para em seguida lamentar que ainda não tem nenhuma apresentação da nova turnê marcada na Bahia. “Estou super a fim de fazer show aí”.

Já sua relação com Brown transcende o limite profissional. “Carlinhos Brown, nem fale... É meu compadre, meu companheiro. Faz um tempo que a gente não se vê, mas quando se encontra,  sempre cria alguma coisa”, conta.

Uma dessas felizes criações foi Os Tribalistas, formado pelos dois e mais Marisa Monte. Há quem diga que o grupo marca uma fase mais pop de Arnaldo, em contraposição aos trabalhos do início de sua carreira solo. Ele, no entanto, discorda. “Não tenho essa divisão rígida. Estou sempre fazendo coisas que têm um apelo pop. Meu trabalho sempre foi pop, desde a época dos Titãs. Sempre tive um lado lírico e um lado pop. Dizer que é isso ou aquilo é torná-lo muito restritivo”. 

Outra criação ‘baiana’ do artista paulista flerta com o universo visual. Ele concebeu e desenhou a logomarca do Neojibá - Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia - comandado pelo maestro Ricardo Castro. “Desenhar é uma coisa que acontece muito esporadicamente em minha vida, mas esse foi um convite bárbaro que eu aceitei. Assisti a orquestra em Londres e me encantei pelo trabalho que Ricardo Castro está fazendo”. 

Participações
A banda atual de Arnaldo Antunes é composta por músicos com carreiras consolidadas nacionalmente: Curumin (bateria), Edgard Scandurra (violão e guitarra), Marcelo Jeneci (acordeon), Betão Aguiar (baixo) e Chico Salem (violão). “Essa formação com os cinco juntos é desde Iê iê iê (2009). Curumin e Chico Salem participam há mais tempo. Jeneci é desde o Qualquer (2006). Pra mim, é um privilégio tê-los tocando comigo. Todos são grandes músicos”.  

Parceiro de longa data de Arnaldo -  desde 1986, ano em que o Titãs lançou Cabeça Dinossauro - Liminha, 60, assina a produção do Acústico. Ele também participa tocando violão em Ligado a Você, O Que/Comida e Fora de Si.

O cantor e compositor Moreno Veloso, filho de Caetano, o trompetista Guizado e a cantora Nina Becker completam as participações especiais. “A princípio, só queria instrumentais, mas Moreno, além de tocar violoncelo, acabou  cantando, porque tínhamos gravado para o Grêmio Recreativo e não foi ao ar”, explica. “O mesmo aconteceu com Nina Becker. Foi legal ter uma voz feminina. Funcionou muito bem”, avalia.   

Outros projetos
Para sacramentar sua impaciência artística, além de viajar com a turnê do Acústico MTV pelo Brasil, Arnaldo Antunes também leva para a Europa o A Curva da Cintura, mais uma empreitada com Edgard Scandurra e colaboração do músico malinês Toumani Diabaté.

No segundo semestre, ele participa, ainda, da celebração aos também 30 anos da sua ex-banda. “Vou cantar em alguns shows do Titãs, como participação especial. Mas ainda não tem datas ou detalhes”, ressalta, com um tom incansável na voz grave. 

CD e DVD Acústico MTV Arnaldo Antunes
Artista: Arnaldo Antunes
Produção: Liminha
Gravadora: Rosa Celeste
Preço: R$ 29,90 (CD) e R$ 44,90 (DVD)