"Queria dar um susto", diz motorista que atropelou e matou lutador de MMA

brasil
27.04.2019, 08:28:44
Lutador foi morto atropelado por motorista do Uber

"Queria dar um susto", diz motorista que atropelou e matou lutador de MMA

"Eu não ia voltar para casa apanhado", disse no depoimento

O motorista do aplicativo Uber Jefferson Roger Maciel Barata, 23 anos, confessou em depoimento nesta sexta-feira (26) que atropelou e matou o lutador de MMA Rodrigo Guaiana, 26 anos, o Rodrigo Monstro, após uma discussão na semana passada em Belém, no Pará.

Segundo contou à polícia, os dois discutiram durante uma corrida pelo aplicativo após o motorista pedir para o lutador, que estava acompanhado de quatro amigas, falar baixo porque ele estava com dor de cabeça. Jefferson disse que foi agredido com socos. 

Após deixar o grupo, o motorista voltou e arremessou o carro contra o lutador em um posto de gasolina. Imagens do circuito interno de segurança do posto mostram o momento do atropelamento.

Motorista que atropelou e matou lutador de MMA (Foto: Reprodução)

"Eu estava emocionalmente abalado e pensei 'Vou dar um susto nele.' Voltei só pra dar um susto, jamais imaginei que ia tirar a vida de alguém", disse o motorista em depoimento que o Uol teve acesso.

O motorista negou ter xingado o lutador durante a briga. "Não falei palavrão nenhum, até porque sou evangélico, cristão e palavrão não faz parte do meu dicionário". E, em vez de denunciar a agressão à polícia, teria decidido 'dar um susto' no lutador. "Eu não ia voltar para casa apanhado", disse no depoimento.

Jefferson, que é professor de inglês e estava associado ao Uber havia cinco meses, era procurado desde o último domingo (21). Ele deve ser indiciado pelo crime de homicídio. 

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas