'Rainha das Plásticas' presta depoimento sobre MC Atrevida, morta após cirurgia

brasil
31.07.2020, 12:47:05
Atualizado: 31.07.2020, 12:53:03
(Foto: Reprodução)

'Rainha das Plásticas' presta depoimento sobre MC Atrevida, morta após cirurgia

Funkeira tirou gordura das costas para botar nos glúteos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Autointitulada 'Rainha das Plásticas', Wania Tavares, dona da clínica onde a MC Atrevida fez um procedimento estético antes de morrer, prestou depoimento à polícia nesta sexta-feira (31).

Na quinta-feira, a clínica onde a funkeira foi atendida foi interditada pela Polícia Civil.

Em uma rede social, Wania afirmou que o estabelecimento seguiu todas as regras previstas. A cantora passou mal após realizar uma hidrolipo com enxerto, procedimento onde gordura é retirada das costas e injetada nos glúteos, e morreu na última segunda-feira (27).

“Eu não gostaria de falar agora, eu gostaria de esperar os laudos. Porém, como vai sair na TV, eu já vou explanando porque vocês têm o direito de já saber. Eu estou com a minha consciência supertranquila quanto ao procedimento, que foi feito corretamente”, afirmou Wania em uma transmissão pela internet.

MC Atrevida chegou a ser internada em um hospital do Rio de Janeiro, mas não resistiu. A declaração de óbito apontou morte por infecção generalizada causada por inflamação na pele.

A MC procurou a clínica da Rainha das Plásticas no dia 16 de julho para fazer uma cirurgia estética e optou por pela hidrolipo com enxerto e pagou R$ 3 mil pelo procedimento.

“Ela começou a passar mal. No segundo dia já depois da cirurgia ela reclamava muito de dores, que ela estava sentindo muitas dores no glúteo. Muitas dores e que as dores não passavam. E logo após ela começou a vomitar muito e eu achei que aquilo não era normal”, explicou ao G1 Janine Vieira, amiga da cantora.

Familiares e amigos denunciam que a clínica não deu nenhum suporte quando Fernanda começou a passar mal.

“Eu pedi, eu praticamente implorei o número dos médicos e mesmo assim elas não quiseram me dar. Elas não deram suporte sequer para a Fernanda. Infelizmente, elas acabaram com a vida dela. Elas acabaram com o sonho de uma pessoa, entendeu?”, disse Janine.

O médico responsável pela cirurgia teria sido, segundo o G1, Wilson Ernesto Galarza Jara. De acordo com informações publicadas na internet, Wilson teria especialidade em ginecologia e ortopedia.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas