Rita Assemany encena dois textos de Aninha Franco no YouTube

entretenimento
23.10.2020, 06:00:00
Surf no Caos (Mario Edson/divulgação)

Rita Assemany encena dois textos de Aninha Franco no YouTube

Surf no Caos será exibida nesta sexta (23) e Chiquita com Dendê, no dia 6 de novembro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Antes de o isolamento social começar, em março deste ano, a atriz Rita Assemany encenava os monólogos Surf no Caos e Chiquita com Dendê no República AF, no Pelourinho. O local, uma espécie de clube de cultura, tem uma pequena sala de espetáculos onde as peças eram apresentadas para grupos de, em média, apenas 20 pessoas, o que era suficiente para lotar.

Na época, a plateia podia se aglomerar à vontade. “Era uma situação completamente oposta à que vivemos hoje. Ali, a plateia ficava coladinha”, diz Assemany, com certo saudosismo, embora nem faça tanto tempo assim.

Mas agora, com as limitações impostas pela pandemia, a atriz, junto com Aninha Franco - autora dos textos -, rendeu-se às transmissões digitais e leva hoje para o YouTube a montagem Surf no Caos. No dia 6 de novembro, é a vez de Chiquita com Dendê. As exibições, gratuitas, serão no canal da República AF.

O público pode colaborar com doações que serão encaminhadas a profissionais das artes cênicas, principalmente aos que atuam nos bastidores dos teatros. As apresentações, patrocinadas pelo grupo LM, são  também uma forma de celebrar os 40 anos de Rita.

Os vídeos, no entanto, não ficarão disponíveis no YouTube após as sessões das sextas-feiras, pois a ideia é transformar o canal da República AF numa sala de espetáculos virtual, com horários fixos de exibição. As próximas montagens serão divulgadas nas redes sociais de Rita e Aninha.

Surf no Caos, exibida hoje, tem para a atriz um significado muito especial: o monólogo, que estreou em novembro de 2018, marcou a volta dela aos palcos depois de dez anos.

Lucy

O texto de Aninha Franco, segundo a própria autora, resume um pouco da relação dela mesma com a história da humanidade.

“É claro que em 50 minutos eu não posso botar toda a nossa história, mas é a história dessa humanidade com que me relaciono. É praticamente uma conversa minha com Lucy”, diz Aninha.

Lucy é aquela que é considerada o primeiro humano primitivo, cujo fóssil, encontrado em 1974, tem 3,2 milhões de anos.

Rita Assemany em Chiquita com Dendê (foto: Robério Sampaio)

“A gente fala sobre as delícias e as dores da humanidade, os erros, os acertos e os delírios. Perguntamos a Lucy por que criamos a escrita ou por que criamos a fala. Foi para que resultassem em guerra e fome?”, complementa Rita.

No dia 6 de novembro, no mesmo horário, será exibida Chiquita com Dendê, que estreou no teatro meses depois de Surf no Caos. O texto, segundo Assemany, é um recital de colagens de outros espetáculos de Aninha Franco, com músicas e textos que trazem uma reflexão sobre a Bahia, “tão querida e tão maltratada” segundo a atriz. Mas, para ela, é uma declaração de amor à Bahia. Na trilha, músicas de Assis Valente, Gordurinha, Dorival Caymmi e outros baianos.

“Chiquita é uma revisita à Bahia, como fizemos em Dendê e Dengo e Os Filhos da Filha de Chiquita Bacana. A Bahia sempre faz parte do nosso trabalho. Acho que é uma obrigação do artista baiano falar de sua província, de seu território”, diz Aninha Franco.

Aninha e Rita trabalham juntas desde 1987, quando a dramaturga escreveu Os Sete Pecados Captados. Dali em diante, tornaram-se parceiras frequentes. E mais: a autora já escreve os textos pensando em ter Rita como intérprete. “É um luxo para uma atriz ter  uma dramaturga para ela”, diz Rita.

Aninha diz que conhecer o trabalho da amiga foi fundamental para que sentisse motivação de escrever. “Antes de conhecer Rita, achava teatro, chato, inútil. O público não frequentava teatro e quem ia às peças eram amigos e familiares dos artistas. Eles sofriam para assistir àquelas coisas. Aí, um dia, vi Rita atuando numa montagem que era para concluir um curso de teatro do TCA. Quando saí, disse: 'Meu Deus, essa mulher é uma atriz!' E aí comecei a escrever para o teatro”. Canal da República AF, no YouTube. Hoje e 6 de novembro, às 20h.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas