Sala de Cinema do MAM será reaberta no sábado

entretenimento
11.07.2019, 06:30:00
Saladearte do MAM, durante a reforma (fotos: Arisson Marinho)

Sala de Cinema do MAM será reaberta no sábado

Espaço, que pertence ao grupo Saladearte, será apresentado hoje a convidados

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Os cinéfilos de Salvador podem comemorar: depois de sete anos inativa, a Saladearte do MAM (Museu de Arte Moderna da Bahia) será reaberta hoje, junto com outros espaços que compõem o equipamento. Nesta noite, o evento é para convidados, mas no sábado o cinema passa a funcionar para todos.

A sala, segundo Marcelo Sá, sócio da Saladearte, vai oferecer as melhores condições para o desfrute da sétima arte: “São os mesmos 103 lugares, mas com tudo novo: cadeiras, projetor, iluminação, fiação... Nós sempre gostamos muito deste espaço, mas ele funcionava com certa precariedade porque não havia sido projetado para ser um cinema”, diz.

Com o novo espaço, são cinco cinemas do grupo Saladearte funcionando: além do MAM, há duas salas no shopping Paseo, uma na Ufba (Canela) e uma no Museu de Geológico, na  Vitória. Em breve, o MAM terá sessões especiais, em que serão exibidos filmes ligados a determinados temas. Nas próximas semanas, o novo espaço vai abrigar eventos que já funcionam em outras unidades, como o Cinematografinho, dedicado às crianças; o Cine Geek e o Cine Papo, em que a exibição do filme é seguida de um debate.

Ludmilla Cavalcante e Marcelo Sá, sócios do Saladearte

Muitos frequentadores da Saladearte afirmam ter uma relação afetiva com o espaço, inaugurado há 19 anos, com uma sala no Bahiano de Tênis. A jornalista Enoe Lopes Pontes, 28, cinéfila, tem lembranças marcantes do Cinema do Museu, onde, aos 13, assistiu a Brilho Eterno de Uma Mente sem Lembranças, com Jim Carrey e Kate Winslet.

“Foi o filme que mais me marcou dos que vi ali, porque tem uma narrativa bem diferente da tradicional. Foi importante também porque tive meu primeiro contato com Michel Gondry”, diz, referindo-se ao diretor e roteirista que virou referência para muitos cinéfilos.

Para Enoe, ir a um cinema do circuito alternativo é uma experiência diferente de frequentar o circuito comercial: “Nos dois ambientes, há relaçãoes diferentes com o cinema. Nas salas de arte, a sessão tem outro clima, as pessoas buscam outras coisas”.

“Família”

Marcelo Sá confirma que uma grande parte dos frequentadores é de clientes fieis, o que favorece uma relação íntima, quase “familiar” com o ambiente. Tanto que é comum Marcelo sentar para tomar um cafezinho e bater um papo com frequentadores habituais.

O professor universitário Glauber Lacerda, 33, frequenta a Saladearte desde a adolescência, quando morava em Vitória da Conquista, mas vinha à capital. “Ia por causa dos filmes e também por causa do espaço. Fiz vestibular em Salvador, então vi alguns filmes da Ufba nas Salasdearte. Um deles foi Diários de Motocicleta [sobre Che Guevara]. O espaço é um lugar de encontro com os pares”, observa.

Glauber cita o crítico de cinema  André Setaro (1951- 2014) para diferenciar o circuito de arte do comercial: “Setaro dizia que o cinema virou parte do ‘shoppear’ [referindo-se aos shoppings]: você não sai mais de casa para ver um filme, mas sai para ir ao shopping, aí passa na frente do cinema, compra uma pipoca e entra na sala. A pipoca e o barulho atrapalham o ritual que eu busco”.

Enoe até gosta da pipoca, mas nas salas de arte, onde esse salgado não entra, ela não sente falta: “Nas salas comerciais, sempre compro pipoca gigante, mas lá não sinto falta. Compro uma balinha ou às vezes um pão de queijo”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/nivus-ja-rodamos-na-bahia-com-o-novo-suv-da-volkswagen/
Em vídeo, apresentamos as primeiras impressões sobre o veículo que tem piloto automático inteligente e detector de fadiga
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-zidane-renata-fan-recebe-parabens-de-david-beckham-assista/
Ex-jogador inglês enviou mensagem que foi reproduzida no ‘Jogo Aberto’, da Band
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pf-cumpre-mandados-contra-quadrilha-que-fraudou-mais-de-r-4-milhoes-do-inss/
O grupo é investigado por, pelo menos, 80 benefícios previdenciários suspeitos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/5-filmes-que-voce-deve-assistir-para-apreciar-as-trilhas-de-ennio-morricone/
Compositor, que morreu aos 91 anos, era grande nome da música no cinema
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rapper-baiano-hiran-lanca-segundo-disco-galinheiro/
Disco tem participações especiais de Tom Veloso, Majur e outros artistas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/serie-baiana-que-revela-salvador-sombria-ja-esta-disponivel-no-amazon-prime/
Produção tem roteiro e direção de Julia Ferreira, baiana que estudou cinema em Londres e Madri
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/netos-de-luiz-gonzaga-divulgam-nota-de-nojo-por-uso-de-musica-em-live-de-bolsonaro/
Jair Bolsonaro convidou o presidente da Embratur para tocar durante a live da última quinta
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/moradores-da-lapinha-falam-ao-contrario-e-tem-um-dialeto-o-gualin/
Há meio século, falar ao contrário é considerado sinal de pertença para os moradores “raiz” do bairro da Lapinha
Ler Mais